Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Museus a céu aberto - Por Júlio Olivar


 
Existe um tabu sobre a morte. No entanto, algumas iniciativas mostram que os cemitérios são vitais para a compreensão da história e da memória. Formam verdadeiras cidades com distinções sociais, informações, arquiteturas e obras de arte que dizem muito sobre os personagens, seu tempo e a própria sociedade. Desde quando visitar cemitério é coisa para turista? Acontece que o Greenwood é uma das principais atrações de Nova York desde o século 19. Era um dos programas favoritos dos novaiorquinos que iam visitar os túmulos das celebridades enterradas no local, e aproveitar a beleza do parque. Ainda nos EUA, há um cemitério, o Nacional de Arlington, em Washington, em que citytour guiado custa 9 dólares. É onde está sepultado o ex-presidente John Kennedy.

Não é diferente na Europa onde há vários cemitérios visitados por turistas na França, Espanha, Itália... Destaco o Cemitério de Highgate, em Londres, tendo como habitante mais ilustre o sociólogo alemão Karl Marx. As visitas guiadas a esse logradouro custam 8 libras. O Père Lachaise, em Paris, também promove o turismo. Além da beleza do lugar, chamam a atenção mortos notáveis como Honoré de Balzac, Marcel Proust, Edith Piaf e Jim Morrison. Em Pequim, o cemitério de Babaoshan é o mais famoso da China, onde estão enterrados heróis revolucionários e membros de dinastias chinesas.

Em Buenos Aires, o túmulo de Evita Perón figura entre os atrativos turísticos da cidade em guias oficiais. Gente do mundo todo frequenta o local simples, nada monumental perto da grandeza do que foi a dama portenha idolatrada até os dias de hoje. No Brasil, alguns cemitérios já oferecem serviços turísticos. Exemplo, o da Consolação, em São Paulo. Lá, aliás, está sepultado o primeiro prefeito eleito de Porto Velho, o médico, sertanista e jornalista Joaquim Tanajura, fundador do jornal Alto Madeira. Repousa Tanajura entre expoentes de tantas áreas, que vão de santos populares, passando por presidentes da República até nomes como Monteiro Lobato e Conde Matarazzo.

No Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro, descansam, entre tantos nomes famosos, Santos Dumont, Tom Jobim, Carmem Miranda e o legendário Marechal Cândido Rondon, co-fundador e patrono de Rondônia. Lá, 150 jazigos dispõem de QR Codes que levam às informações na internet sobre os mortos e é primeiro cemitério a oferecer tour virtual pelo Google Street View. Rondon, que era um homem de vanguarda e amava a tecnologia, ao mesmo tempo em que tanto prezava as raízes, certamente gostaria da ideia de promover cemitérios como museus a céu aberto.

Tal afirmativa se sustenta no fato de que o militar voltou ao seu local de nascimento, Mimoso (MT), tendo mais de 80 anos de idade, justamente para construir o túmulo de sua mãe e fazer dele um monumento colocado à entrada da escola que leva o nome de sua genitora para que todos o avistem. E mais: Rondon foi quem esboçou o desenho do jazigo dele próprio fazendo constar a maior expressão da Filosofia Comtista a qual o herói fez sua religião: “o amor por princípio, a ordem por meio e o progresso por fim”.

Em Rondônia, fiz questão de recuperar, com a ajuda de companheiros, o túmulo do major Emanoel Silvestre do Amarante, morto em 1929 e sepultado no Cemitério dos Inocentes, em Porto Velho. Amarante era genro de Rondon e seu braço direito, o único oficial da Comissão das Linhas Telegráficas MT/AM sepultado em solo rondoniense. Saber mais sobre Amarante é mergulhar em informações importantes sobre a formação de Rondônia, envolvendo questões indígenas, geológicas, de comunicação, da lenda de Urumacuã, de política (teria sido ele, decerto, o primeiro governador do Guaporé não tivesse morrido cedo; Aluízio Ferreira era seu súdito). Sob o túmulo de Amarante, sobre o qual o velho militar Rondon chorou e depositou flores; foi a visita a esse local o motivo de sua última vinda a Porto Velho, em 1930.

Ainda no Cemitério dos Inocentes fiz questão de revitalizar o túmulo do poeta Vespasiano Ramos, morto em 1916, quando Porto Velho era um vilarejo de apenas dois anos de existência. O ato trouxe lustro à memória apagada daquele que é considerado o precursor das letras em Rondônia e que figura no Mapa Brasileiro de Literatura. E pretendo mais: vou agora recuperar o túmulo de Raimundo Cantuária, o dirigente do Banco da Borracha que foi fundamental no segundo ciclo do látex na região. Com isso, mostrar a muitos o que significou esse personagem que é nome de umas das avenidas principais da cidade e cuja trajetória tem interfaces com a fundação dos seringais Papagaio e Canaã, que deram origem à cidade de Ariquemes.

Recentemente, procurei - sem êxito - onde ficava o túmulo da cientista e dama da ornitologia mundial, Emilie Snethalage, também sepultada no Cemitério dos Inocentes em 1929. Por não conseguir encontrar o local do sepulcro, encomendei, por minha conta, um busto dela e o afixei nas imediações do Memorial Rondon, recém-inaugurado pelo governador Confúcio Moura, um entusiasta e apoiador de todas essas iniciativas.

São ações pontuais, eu sei. É preciso muito mais. Assim, passado e presente se fundem. Os cemitérios e os monumentos são peças fundamentais nesta odisseia da existência. A morte é o último capítulo de uma história e merece ser tão bem contado quanto todas as demais páginas que precisam ser relidas e revisitadas para que não sejamos pautados apelas pelo agora que se esvai num estalar de dedos. Homens e mulheres não morrem, como bem poetou Guimarães Rosa: "O mundo é mágico. As pessoas não morrem, ficam encantadas".


Museus a céu aberto - Por Júlio Olivar - Gente de Opinião

Júlio Olivar, jornalista, escritor e presidente da Academia Rondoniense de Letras, é superintendente estadual de turismo.

 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual