Porto Velho (RO) quarta-feira, 12 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

MÉRITO OU ANTIGUIDADE?


MÉRITO OU ANTIGUIDADE? - Gente de Opinião

Durante muitos anos, a antiguidade, era – como se costumava dizer, – um posto.

As promoções, dependiam: dos anos de serviço, da assiduidade à empresa ou firma.

Nas últimas décadas, implantou-se – e bem, – o mérito.

Digo e bem, quando o mérito não depende da: cor política, credo, amizade ou outra coisa mais, que por respeito, ao leitor, peço licença para não revelar.

Conheci – já lá vão muitos anos, – pobre homem, que mourejou toda a vida, na mesma empresa.

Doente, com sacrifício, apresentava-se no local de trabalho, tentando, com esforço e dedicação, ser leal aos superiores hierárquicos.

Os anos correram… e muitos foram os que visaram, ao verem-no na tarefa de aumentar a receita da empresa:

- “ Vais receber a medalha de cortiça! Ninguém reconhece! …”

Mas o homem, na sua inocência, pensava lá consigo: “ Um dia alguém há-de fazer-me justiça.”

Os colegas de trabalho, riam-se à socapa, do zelo e do propósito, em tudo, contribuir para o enriquecimento da firma.

Por fim, já tinha trinta anos de casa, alguém, lembrou-se de o louvar. Foi motivo de orgulho. Não pelo louvor, mas pelo reconhecimento.

Andava alegre como um cuco; como sino em dia de Aleluia, quando o chamaram ao gabinete do diretor.

Entrou radiante. Sabia que se preparava importante reestruturação. Reestruturação, que equivalia aumento de salário. Semanas antes, garantiram-lhe que as  alterações, em nada o iriam prejudicar.

Diante do diretor, este, após agradecer a dedicação e lealdade, disse-lhe:

- “ Como sabe vai haver reestruturação de serviço, e o senhor vai ser dispensado…Por mim, ficava; mas, eles não querem! …”

O pobre homem teve um desfalecimento.

-” Mas Senhor Doutor… – balbuciou a medo, gaguejando. - Quem são eles?! …”

- “ Foram eles! …Foram eles! … – Pronunciou, o diretor, em voz intimadora; e saiu, deixando o ingénuo trabalhador atónito.

Colocaram-no – como se costuma dizer, – na prateleira, esperando a chegada da reforma.

Pelo menos tiveram a caridade de o tratarem com respeito e dignidade.

Disseram-lhe, então, que fosse para o tribunal. Que fosse ao sindicato…Mas, no íntimo, sabia que nada adiantava.

Um dia, encontrei-o, já no final da vida, amargurado. Voltou-se para mim, deu-me um abraço servil, e declarou:

- “ Podia ter reforma mais confortável, mas acreditei: que, zelando os interesses da empresa, era bastante… Disseram-me para me queixar…Olhe: aguardo que tudo seja resolvido no Tribunal de Cristo… Mas ainda penso de mim para mim: que força tão poderosa era,  que conseguiu abafar a consciência de homem, que parecia tão corajoso ?”

A dedicação, infelizmente, não chega…é preciso alguma coisa mais… para se ser promovido e singrar na vida…

Mas isso, não é para gente simples, que acredita na justiça humana e na palavra dos homens.

Mais Sobre Opinião

Covid-19: menos culpa, mais união

Covid-19: menos culpa, mais união

A constatação de mais de 100 mil mortes no Brasil em decorrência da Covid-19 se tornou um marco simbólico para uma tragédia nacional sem precedentes.

Hesitação que compromete

Hesitação que compromete

As frequentes vacilações patrocinadas por membros da equipe do governador Marcos Rocha não servem apenas para marcar na opinião pública uma imagem d

Os 193 anos dos Cursos Jurídicos X 26 anos de exploração dos cativos dos OAB

Os 193 anos dos Cursos Jurídicos X 26 anos de exploração dos cativos dos OAB

Salve o dia 11 de agosto dia dos advogadosAlô Senhores membros da Organização Internacional do Trabalho – OIT, Organização dos Estados Americanos – OE

Por que alguns dirigentes têm ojeriza a servidor público?

Por que alguns dirigentes têm ojeriza a servidor público?

Todas as vezes que o caixa da União sofre a ameaça de esgotar-se, a corda sempre arrebenta no bolso do servidor público. Essa prática tem sido comum