Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Laços indissolúveis



Bruno Peron

Enquanto leio as notícias principais sobre o Brasil, fico impressionado com a maneira como os meios de comunicação (des)informam sobre a conjuntura macroeconômica de nosso país. O cenário mais preocupante é o de recessão, que acompanharia a inflação que já flagela nossa economia e que político ou ministro nenhum poderá escondê-la dos brasileiros.

É mais que evidente que os preços dos produtos estão altíssimos e continuam subindo no Brasil, que suas indústrias têm perdas em competitividade, e que o inchaço do Maquinário embaraça o desenvolvimento do setor produtivo no Brasil. Ainda, nossos jovens sonham com a admissão em concursos públicos em vez de dar asas à criatividade empreendedora que os faça promover nossas indústrias.

Nas circunstâncias de incerteza econômica e política em que estamos vivendo, o aumento da burocracia é a pedra no calçado de empresários inovadores, de gente de ideias, e dos poucos que contribuem para gerar riquezas no Brasil. No entanto, a mentalidade concurseira inerente à nossa cultura reduz o fôlego de jovens esperançosos e converte-nos em soldados chupadores de mamilos cediços, os do Maquinário.

Para dificultar ainda mais a situação, a batalha que se trava entre candidatos à Presidência do Brasil é quase uma de quem será o próximo títere que fingirá que governa. Ora, se os candidatos de esquerda radical não se fatigam de denunciar que o governo brasileiro tem laços indissolúveis com banqueiros e investidores estrangeiros, não estou convencido de que o próximo presidente romperá tais laços por mais persuasivos que os candidatos à Presidência pareçam em suas campanhas.

Nem os discursos a favor de práticas sustentáveis de desenvolvimento me soam como uma tentativa bem-sucedida de corrigir os caminhos macroeconômicos tortuosos no Brasil. Temos que agregar tecnologia e inovação no que fazemos. Só assim deixaríamos de ser trabalhadores intermediários que apenas compram por dez e vendem por vinte, mas não somam tecnologia. Para isso, é preciso instruir nossos jovens e dar-lhes liberdade maior de expressar sua criatividade a favor do Brasil.

Não é por acaso que muitos jovens esgotam seus sonhos em presídios. Estes seriam, pois, a culminação da falta de liberdade que eles já não tinham antes de ser presos, uma vez que o Maquinário asfixia seus anseios. O Maquinário dá-lhes educação inadequada, priva-os do consumismo a que a televisão induz, e ainda reprime-os quando eles voltam-se contra essa sociedade que deforma recém-nascidos.

É preciso dar outro impulso às esperanças que os trabalhadores têm no Brasil a fim de não apostar todas as fichas em políticos nem noutras pessoas que ganham R$ 15 mil mensalmente para viver no faz-de-conta de Brasília. As propostas de quem conhece bem o Brasil estão distantes de ser messiânicas e miraculosas. Elas afetarão a consciência de seres de bem que, como você leitor, dispor-se-á ao trabalho porque este é dignificante e não somente porque ele é obrigatório para sobreviver.

Nesse percurso de descobertas, temos visto que o Brasil é um país acolhedor onde sua gente está disposta a retificar seus descaminhos, erros e enganos. Assim, milhares de estrangeiros têm apostado a vida no Brasil, que é um laboratório de convergências étnicas e instituições transplantadas onde se sinaliza a promessa de um modelo civilizatório.

Até que o Brasil se consolide no mundo como uma nação forte e exemplar, mas que nem por isso espione ou se imponha às demais (como USA Fora-da-Lei faz), temos que perseverar no bem. Portanto, uma de nossas tarefas é pensar em maneiras de promover modos de trabalho que realizem nossa criatividade e gerem riquezas para o Brasil.

A casa brasileira está mal assombrada pela inflação, a insegurança e o descaso em relação aos jovens. Embora se tenha falado cada vez mais sobre economia e sustentabilidade, é preciso rever nosso modelo de desenvolvimento para que o Maquinário promova as indústrias nacionais e incentive os jovens a liberar sua criatividade latente.

O resultado poderá ser glorioso para todo o Brasil e os brasileiros.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.