Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Juventude no coração da Igreja


Em sua Mensagem para 28ª Jornada Mundial da Juventude, que será realizada no Rio de Janeiro em julho de 2013, com o tema “Ide e fazei discípulos entre as nações!” (Mt 28,19), o papa Bento XVI renova o convite aos jovens do mundo inteiro para que participem deste importante evento.
 
A Mensagem ressalta que o ano de preparação para o encontro do Rio coincide com o Ano da fé, no início do qual o Sínodo dos Bispos dedicou os seus trabalhos à “nova evangelização para a transmissão da fé cristã”.
“Queridos jovens, escreve o Papa, sejais envolvidos neste impulso missionário de toda a Igreja: fazer conhecer Cristo é o dom mais precioso que podeis fazer aos outros”.

No Brasil a Jornada dos Jovens coincide com o Ano da Juventude. No dia 13 de fevereiro, quarta-feira de Cinzas, acontece mais uma edição da Campanha da Fraternidade (CF), com o tema será “Fraternidade e Juventude” e o lema “Eis-me aqui, envia-me!” (Is 6,8).

 
Após 21 anos da Campanha da Fraternidade de 1992, que abordou como tema central a juventude, a CF 2013, na sua 50ª edição, terá a mesma temática. A acolhida da temática “juventude” tem como objetivo ter mais um elemento além da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) para fortalecer o desejo de evangelização dos jovens.
 
O objetivo geral da CF é acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na vivência eclesial e na construção de uma sociedade fraterna, fundamentada na cultura da vida, da justiça e da paz.
 
Para a Igreja, dentro do sentido da palavra “acolher” está o valorizar, o respeitar o jovem que vive nesta situação de mudança de época e isso não pode ser esquecido.
 
“A juventude mora no coração da Igreja”, reafirma o Texto-Base da CF 2013 (TB 188-198). Em diversos momentos de sua história, os pastores da Igreja, amparados pela ação do Espírito Santo, ocuparam-se de maneira intensa com a evangelização da juventude e sobre ela se pronunciaram.
“A juventude mora no coração da Igreja”: essa afirmação nos faz pensar que jamais poderíamos deixar passar um jovem sem dizer-lhe o quanto Jesus Cristo o ama.
 
A Igreja, Povo de Deus, existe fundamentalmente para evangelizar, dar continuidade à obra de Jesus Cristo, ser canal da graça, proporcionar espaço de comunhão e de participação, iluminar os projetos de vida individuais e coletivos, promover uma nova civilização, a Civilização do Amor.
 
Na mesma linha, o Documento de Aparecida convoca toda a juventude ao compromisso com a renovação da vida e do mundo à luz do projeto de Deus, pois “os jovens têm capacidade para se opor às falsas ilusões e a todas as formas de violência”.
 
Encontramos na Bíblia um Deus apaixonado pelo ser humano, em diferentes imagens. Entre elas, contemplamos um Deus criador, que gera pessoas criativas; um Deus comunicador, que se revela na história humana; um Deus salvador, que atua a favor da vida, contra todo o mal; um Deus sempre presente e amigo, que não se cansa de dar o primeiro passo a nosso favor. Ele cria o ser humano inventivo, curioso, que está sempre aberto ao projeto de criação e é capaz de descobrir, nas realidades cotidianas, que há algo presente que ainda não se manifestou.
 
Na dinâmica da criação, cada pessoa é uma mensagem única e profunda de Deus para a história e para a humanidade. Assim, também o jovem é a voz de Deus e, por isso, precisa ser escutado: “um grande desafio é reconhecermos que também no segmento da sociedade chamado juventude se encontram as “sementes ocultas do Verbo”, como fala o Decreto Ad gentes, do Vaticano II. Entrar em contato com o ‘divino’ da juventude é entender sua psicologia, sua biologia, sua sociologia e sua antropologia com o olhar da ciência de Deus”.
 
A Igreja entende que o jovem se constitui em um “lugar teológico” privilegiado. O que isso significa? Pois bem, considerar o jovem como lugar teológico é acolher a voz de Deus que fala por ele.
 
A novidade que a cultura juvenil nos apresenta neste momento, portanto, é a sua teologia, isto é, o discurso que Deus nos faz através da juventude. De fato, Deus nos fala pelo jovem. O jovem, nesta perspectiva, é uma realidade teológica, que precisamos aprender a ler e a desvelar.
 
Não se trata de sacralizar o jovem, imaginando-o como alguém que não erra; trata-se de ver o sagrado que se manifesta de muitas formas, também na realidade juvenil. Trata-se de fazer uma leitura teológica do que, de forma ampla, chamamos de culturas juvenis.
 
Assim, inaugura-se uma nova perspectiva pastoral, capaz de absorver a autenticidade da mensagem de Deus que emana das diferentes expressões juvenis.
 
Dizer que, para a Igreja, a juventude é uma prioridade em sua missão evangelizadora é afirmar que se quer uma Igreja aberta ao novo, é afirmar que amamos o jovem não só porque ele representa a revitalização de qualquer sociedade, mas também porque amamos, nele, uma realidade teológica em sua dimensão de mistério inesgotável e de perene novidade.
 
Não se pode negar que, apesar de algumas falhas e lacunas, uma herança evangelizadora muito profícua foi sendo tecida na relação da Igreja com a juventude ao longo da história.
 
Na Igreja do Brasil, há tempos, muitas pastorais, movimentos, organismos, congregações religiosas e novas comunidades têm atuado junto aos jovens com resultados importantes.
 
Mensagens dos papas, encíclicas, documentos das conferências episcopais, especialmente de Puebla quando a Igreja Latino-americana ressaltou sua opção pelos jovens, eventos mundiais e continentais sistematicamente ressaltaram a importância da evangelização junto aos jovens.
 
Embora a caminhada pastoral não esteja começando do zero, sente-se ainda o clamor por uma mais corajosa “opção afetiva e efetiva de toda a Igreja pela juventude”, sobretudo por parte dos presbíteros, das lideranças comunitárias e dos consagrados.
 
Acolher os jovens, como Jesus Cristo, e proporcionar-lhes condições de vida e amadurecimento são atitudes fundamentais para auxiliá-los nesta complexa mudança de época.
 
João Paulo II, em sua mensagem por ocasião da Campanha da Fraternidade de 1992, fez questão de frisar que “a Igreja fez a opção preferencial pelos jovens de todas as condições sociais, mas especialmente pelos que sofrem porque desconhecem a verdade e caminham desorientados pelas estradas da vida; pelos abandonados e os que padecem diante das injustiças humanas; pelos doentes... o Senhor está mais perto dos que sofrem com santa resignação”.
 
É preciso, em tempos atuais, que nos aproximemos mais daqueles jovens que sofrem e perceber até que ponto nosso trabalho responde às suas reais expectativas e necessidades. Num exercício de alteridade, é preciso olhar o mundo com os olhos dos jovens sofredores.
 
Nesse sentido, o Documento de Aparecida nos aponta para os jovens que se encontram em situação de risco.
 
Somos todos responsáveis pela Igreja e, portanto, pela sua missão, cada qual segundo a própria vocação. Na Constituição Dogmática Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II, a Igreja, novo Povo de Deus, é descrita como Corpo de Cristo uno, com variedade dos membros, em que todos têm igual dignidade. Desde então, “muitos documentos do Magistério pontifício e episcopal apontam para a renovação da vida da Igreja através do caminho do serviço, no qual todos os fiéis, começando dos ministros ordenados, buscam superar a tentação do autoritarismo e assumir o modelo do lava-pés”.
 
Todas as estruturas eclesiais são, portanto, convocadas a assumir como sua a tarefa de expressar afetiva e efetivamente a opção preferencial pelos jovens, especialmente pelos mais empobrecidos, num contexto de grandes contrastes e de emergência da cultura midiática.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.