Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Hitler para presidente! Professor Nazareno


Professor Nazareno*

O sucesso do Nazismo e de Adolf Hitler na Alemanha se deu por conta do desespero do povo alemão, insatisfeito com os termos do Tratado de Versalhes, logo após a Primeira Guerra Mundial. Menos de uma década depois do triste armistício a Alemanha, a outrora potência econômica da Europa e do mundo, era humilhada pelos países vencedores daquele conflito e o seu povo explorado ao extremo. Sem nenhuma perspectiva de futuro, os germânicos só pensavam em vingança e para isso, chega ao poder máximo do país um sujeito que nem alemão era: diante do perigosíssimo vácuo na política, o austríaco Adolf Hitler convence os germânicos de sua “superioridade” sobre os demais povos da terra e assim abre caminho para os arianos se vingarem da “maior injustiça já traçada contra seu povo”. Outra guerra agora é só questão de tempo.

Guardadas as devidas proporções, o Brasil vive hoje na política um drama muito parecido com o da Alemanha das décadas de 20 e 30 do século passado. A política e os políticos há tempos perderam o seu valor entre nós. A roubalheira, a corrupção, os desmandos, a impunidade e a desfaçatez de nossos mandatários liquidaram a pouca credibilidade que ainda se tinha. O atual presidente do país, o golpista Michel Temer tem menos de 5% de apoio popular. Vários de seus ministros estão presos e muitos deles estão sendo investigados por falcatruas. Na maioria dos Estados e nos municípios o drama é o mesmo. Há muitos políticos respondendo processos e as operações da Polícia Federal não param. O que se ouve frequentemente é que boa parte do eleitorado vai anular o voto nas próximas eleições ou simplesmente se abster de votar em 2018.

O Brasil vive hoje um perigoso vazio de poder onde a maioria da população não tem a menor confiança nos seus governantes. “Todos os políticos são ladrões”, é a cantilena nacional. Neste ambiente, aduba-se o terreno e cria-se o clima favorável para o aparecimento de um salvador da pátria. E muitos já estão com o “pé na estrada” para “salvar o país” dos aproveitadores. Basta verificar o que dizem as pesquisas eleitorais faltando pouco menos de um ano até as próximas eleições presidenciais. Levando-se em conta o perfil cultural do eleitorado brasileiro, podem-se esperar mudanças desastrosas no cenário político. A antológica estupidez do brasileiro e a sua falta de conhecimento na política associadas a pouca ou nenhuma escolaridade do cidadão comum podem nos levar a um desastre pior do que o vivido na Alemanha entre as duas guerras mundiais.

A burrice dos brasileiros é tão grande que se Adolf Hitler fosse candidato a presidente do país, correria o risco de ser eleito com ampla margem de votos. Hitler, Idi Amin de Uganda, Pol Pot do Camboja, Jean Bokassa da República Centro-Africana, Stalin ou qualquer outro sanguinário e genocida ditador levaria a maioria dos votos dos brasileiros, muitos deles incultos e despolitizados. Óbvio que nenhuma destas figuras se levantaria do túmulo para incomodar nossos cidadãos, porém muitos dos seus seguidores e admiradores já estão em campanha aberta e pior: correndo sério risco de nos governar pelos próximos anos. Há políticos honestos, sim. Há muitos brasileiros que podiam governar o país de maneira séria, mas nenhum quer se associar a esta bandalheira que aí está. Se as coisas não mudarem, corre-se o risco de estarmos chocando o ovo da serpente. “Esse Hitler é paulista, mineiro, do PT, PP ou do PMDB”?

*É Professor em Porto Velho.
 

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.