Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Haverá crítica honesta?


Por Humberto Pinho da Silva

Em tempos de mocidade - e já lá vão muitos anos, - assisti a interessante colóquio, na Casa dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, com o escritor Joaquim Paços d’Arcos, sobre o romance que acabara de publicar: “Ana Paula”.

Após minuciosamente ter exposto o enredo do livro e abordado a figura da protagonista, foi interrompido pelo crítico Óscar Lopes, lembrando -lhe que o romancista não entendera bem a personagem Ana Paula.

Joaquim Paços d’Arcos emudeceu por momentos, e em aparte murmurou: - “Não saberei o que escrevi!?…”

Era jovem e nutria por Óscar Lopes, respeito e admiração, não fosse ele coautor da História da Literatura, adotada no liceu, mas não entendi o propósito da intervenção, quiçá devido à minha pouca idade.

Acabo de receber “ O Varzeense” , logo na capa deparo com brevíssima biografia de Óscar Lopes, de Aniceto Carmona, declarando que paralelamente com a atividade de professor, foi militante comunista do PCP, desde 1945 - “O Varzeense”,15/2/2012.

Logo saltou-me ao pensamento se o parecer do crítico não teria haver com ideologias políticas, atitude frequente no nosso país.

Esclareceu-me o matutino portuense, pela pena de Manuel António Pina, em que este diz que o Suplemento Literário do “JN” terminou por “ não ter sido devidamente louvado um medíocre romance do escritor do regime Joaquim Paços d’Arcos - “Jornal de Notícias, 26/0l/2012.

À distância de cinco décadas não posso asseverar, se Óscar Lopes tinha ou não razão para essa atitude, fico na dúvida, mas se tivermos em conta o ensaísta Cruz Malpique - não há em Portugal, crítico honesto, e creio que será difícil que o haja noutros países: “ A crítica entre nós, é a impressão escrita sobre os joelhos, com a pressa de quem vai salvar o pai da forca; escrita por amizade, ou por antipatia; as nem sim nem sopas; a de ajuste de contas (agora é que ele vai saber de que força é o filho do meu pai!); a de ciúmes recalcados…” - “Notícias de Guimarães”, “Crítica Literária”, 04/10/91.

Bem disse Pedro de Moura e Sá - se dissermos que: “ este poema é mau queremos muitas vezes afirmar que o autor pensa, em matéria política, de maneira diferente da nossa.” - “ Vida e Literatura” (Vol. Póstumo, pág. 101/2.)

É bem verdade, que sem proteção de um gato de botas, dificilmente chega-se Marquês de Carabás. Assim pensa também Jorge Sampaio (ex-Presidente da República) ao asseverar que nunca foi: “ da Maçonaria, da Igreja ou de qualquer grupo económico. Chegar onde cheguei, nestas condições é obra. Porque é muito difícil ser independente em Portugal.” - “Única”, citado pelo “ Jornal de Tondela”, 31/08/06.

Jorge Sampaio é destacado membro do maior partido português. Se o não fosse, chegaria onde chegou?

Termino com antigo rifão, citado na “ Corte na Aldeia”: “ Cada um dança segundo os amigos que tem na sala” - se não tem, não dança.

 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual