Porto Velho (RO) quarta-feira, 2 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Governo esquece as rodovias federais


POR CHAGAS PEREIRA (*)

O Governo federal, do PT, que nos últimos 12 anos praticamente nada investiu para melhorar as condições das rodovias federais do país, agora quer que a Polícia Federal investigue o bloqueio feito por caminhoneiros, na maioria dos estados, em protesto contra a precariedade da infraestrutura nas rodovias sob a responsabilidade da União. Ora, haja paciência com esse governo, tendo em vista que sempre quer encontrar uma desculpa para fugir de suas responsabilidades. Sim, porque manter as rodovias federais em condições adequadas ao tráfego de veículos, pesados ou não, é uma responsabilidade do governo federal que apenas se manifesta quando é pressionado, e sempre com desculpas esfarrapadas.

Numa iniciativa totalmente descabida diante de um protesto realizado para cobrar investimentos nas estradas, principalmente porque bilhões foram desperdiçados com obras em estádios para a Copa do Mundo, o ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, determina a abertura de inquérito policial argumentando que existem suspeitas de que empresários teriam influenciado os caminhoneiros a deflagrar o protesto. Por acaso, o ministro Cardozo esquece que os caminhoneiros são obrigados a fazer malabarismos diários com suas carretas diante das esburacadas rodovias federais? Mesmo que empresários tenham influenciado o protesto eles não deixam de estar com a razão, diante da inércia do governo federal que não investe na conservação das estradas sob sua competência. Afinal de contas, são empresários que contribuem diretamente para o crescimento da economia brasileira.  

O movimento deflagrado por caminhoneiros que paralisam estradas de todo o país pede, dentre outras coisas, a redução nos preços do diesel e dos pedágios. Para um país que tem feito questão de mostrar ao mundo a sua condição de autossuficiente na produção de petróleo, os aumentos nos preços do diesel e da gasolina contrastam com essa condição e geram protestos. A presidente Dilma Rousself faz questão de bradar aos quatro ventos que o Governo não ficará quieto diante de interrupção de rodovias. Mas, é só o Governo investir recursos financeiros em obras de melhorias das rodovias federais que não haverá razões para protestos dessa natureza. Que contrassenso da presidente, não é mesmo? Se não há investimento, as rodovias continuam precárias, e se continuam precárias surgem os protestos, afinal de contas o desenvolvimento econômico também depende das boas condições das rodovias. Ou será que a presidente entende o contrário?

O ministro José Eduardo Cardozo destacou que o Governo não vai tolerar esse tipo de coisa, inclusive ameaçando punir com sanções penais e civis cabíveis. “O governo agirá com o máximo rigor e não se negocia com a prática de crimes, o ilícito não se tolera", diz Cardozo, esquecendo que deixar de investir em obras essenciais para o país também deveria ser punido com o mesmo rigor, afinal nós, contribuintes, pagamos impostos para que também tenhamos condições adequadas para que possamos trafegar em segurança nas estradas federais. Ou isso não é um direito que nos é assegurado?

(*) CHAGAS PEREIRA É JORNALISTA, RADIALISTA, PUBLICITÁRIO, PALESTRANTE E CONSULTOR EM COMUNICAÇÃO, MARKETING E RECURSOS HUMANOS.

Mais Sobre Opinião

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O TRIBUNAL EUROPEU (TEDH) DÁ ANDAMENTO À  QUEIXA “ACÇÃO CLIMÁTICA” DAS CRIANÇAS PORTUGUESASNo rescaldo de Pedrogão Grande onde o Fogo matou 110 Pessoa

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Acirra-se a briga pela presidência da Câmara Municipal de Porto Velho. O atual presidente Edwilson Negreiros está articulando um grupo forte para gara

Sua Excelência a abstenção

Sua Excelência a abstenção

Independente de quem saía consagrado das urnas no segundo turno do pleito para a prefeitura de Porto Velho (Hildon Chaves ou Cristiane Lopes), certo

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho