Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Final da Copa registrou recorde de tráfego de dados móveis no estádio: 1,45 TB


A final da Copa do Mundo no último domingo, no Maracanã, registrou 1,45 TB de tráfego de dados a partir de celulares, smartphones e tablets dos 74 mil espectadores que estavam dentro do estádio, ao longo de um período de sete horas (três horas antes da partida, duas horas durante e duas horas depois), de acordo com levantamento feito pelo SindiTelebrasil. Esse volume equivale ao envio de 1,6 milhão de fotos de 0,55 MB cada. Foi a partida com o maior tráfego de dados móveis da Copa de 2014. O segundo lugar ficou com o jogo Brasil X Camarões, realizado no estádio Mané Garrincha, em Brasília, quando foram trafegados 880 GB. Para efeito de comparação, este ano, nos EUA, o Superbowl, final do campeonato de futebol americano, registrou tráfego de 1,64 TB em um estádio com 72 mil espectadores e que tem, em seu intervalo, um espetáculo de grande apelo de audiência, este ano com o cantor Bruno Mars e com a banda Red Hot Chilli Peppers.

Ao todo, os 64 jogos da Copa do Mundo registraram 26,7 TB de dados móveis trafegados, uma média de 417,2 GB por partida. A média foi crescendo conforme o torneio avançava. Na fase de grupos, foram 367 GB por jogo; nas oitavas-de-final, 447 GB; nas quartas-de-final, 618 GB. A exceção aconteceu nas semifinais, quando a média caiu para 495 GB. Neste caso, a explicação pode estar no desastroso resultado da seleção brasileira no jogo contra a Alemanha. Outros fatores que influenciaram o volume de tráfego de dados móveis foram a capacidade de público dos estádios (quanto mais espectadores, mais dados) e a presença de infraestrutura Wi-Fi das operadoras.

Em termos de ligações telefônicas, foram registradas 4,5 milhões de chamadas a partir de celulares e smartphones nos 64 jogos. Somente na final foram feitas 71 mil ligações a partir de celulares de dentro do estádio.

Fonte: Teletimes

 

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.