Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Fim de governo; Redobrar os cuidados - Por Confúcio Moura



Eu já assisti a muitos finais de governo. Bem avaliado e mal avaliado. No quesito avaliação, não faz muita diferença. É a fase mais perigosa de um governante. Prefeito e Governador.

Gente de Opinião

Acho que também Presidente da República. Tudo vai mudando suavemente. O que estou falando aqui, acontece e aconteceu com presidentes e governadores. Com JK foi gravíssimo. Tantos outros que foram derrubados do poder e exilados. Teixeirão – nem com ele tiveram piedade. Não conseguiu passar o cargo e nem fazer o discurso de despedida. Vaias.

Não se deve esperar louros em final de governo. Se é que há louros e glórias para um governante, eles virão com o tempo e se vierem.  O tempo vai colocando as coisas nos devidos lugares.

Quando chegar no mês de outubro deste ano, os pré-candidatos a governadores já se aparecem. Desta data em diante, do outubro, começa um movimento silencioso dentro do governo. Cada servidor de carreira, já fica de olho no seu provável e futuro governador. O “comissionado” CDS, já vai estirando o olho para um lado e para outro, com o objetivo de se manter no cargo.

Maioria, faz corpo mole, fica igual pêndulo de relógio de parede – para um lado e para outro. Procurando agradar a todos. E o Governo vai ficando só. Além do mais, vai correndo no silêncio das coisas, aquele sentimento, horroroso, mas, ainda não de tudo eliminado, que é o de querer aproveitar a oportunidade, para tirar vantagens.

É aí que terei, junto com o grupo de Pit Bull do governo, porque sempre tem alguns que ficam rosnando em seus cantos, segurando o patrimônio e a imagem do governador. E eu preciso de muitos Pit Bulls.

Quando chegar o mês de janeiro de 2018, inicia um movimento de vazamentos e denúncias, dados do governo e outras informações. Coisa que o camarada já devia ter resolvido, mas, para desmoralizar quem quer que seja, fica para o final. É o ódio acumulado. O complexo de vira-lata que fica para o final. A mesquinhez impatriótica que fica para o momento final.

E no mais é a solidão do cargo. Final de governo,  nem adianta esperar, é a solidão mesmo.

Daí pra frente é cuidar de arrumar a casa, a contabilidade, fechar os relatórios de exercícios, não abrir a mão pra nada. Não inventar obra nova. Nem fazer grandes compras. Segurar a ganância dos candidatos que querem engolir o governo. Querem o governo na rua, fazendo campanha loucamente, desvairadamente, irresponsavelmente. Segurar. Fazer cara de Pit Bull.

É o conhecido “fechado para balanço”. E as entregas de governo, até o último dia.

Eu sou bem consciente de tudo isto, já espero que aconteça, ficarei satisfeito com os verdadeiros amigos, que serão poucos, contados nos dedos, e clamar aos céus para que possa entregar o governo, em melhores condições do que recebi. E Rondônia galopante e com crescimento firme. É isto aí camarada.

E sempre observando – porque o diabo mora ao lado.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.