Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Em favor do curso de direito em Guajará-Mirim


 

Dra. Patrícia Helena dos Santos Carneiro*

A batalha pelo seu direito é um dever da pessoa cujos direitos foram violados para com ela mesma.

(Rudolph Von Ihering. A luta pelo Direito.)

            Não há quem desconheça a nossa empreitada em defesa do Curso de Direito da UNIR em Guajará-Mirim. Como se sabe, desenvolvimento se faz também pela Educação. Não cabe a nós, num primeiro momento, definir o que vai fazer o graduado com o seu diploma: este é um “bom problema”. Como se sabe, sempre há algo que resolver na administração pública: Primeiro faltam pessoas com conhecimentos adequados (engenheiros, docentes, bacharéis). Depois sobram! Trata-se de prever o “mau problema” e só depois cuidar do “bom problema”.

            Se poucas pessoas, em toda Rondônia, sabem da existência do Curso de Direito ofertado pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR) em Guajará-Mirim, menos ainda são aqueles que sabem existir uma contenda que dilacera a carne dos guajaramirenses neste tema central, entre pessimistas e lutadores: Lutamos com poucas forças aqueles e aquelas que somos a favor de estabilizar um CGente de Opiniãourso de Direito da UNIR em Guajará-Mirim. Dois fatos ainda despertam intenções nada benevolentes frente à manutenção deste Curso na nossa Pérola do Mamoré: O fato de ser fruto da ideia de um professor determinado e o fato de poder receber aporte de verbas estaduais, provocando ciúmes de todos os lados.

            A primeira turma de Direito em Guajará-Mirim iniciou os seus passos em 2013, após liminar do juiz federal que ordenou à UNIR cumprir a oferta prevista do Curso, planejada, em convênio com o Estado de Rondônia, para ser derivada do seu similar, existente na UNIR de Porto Velho há duas décadas. O nosso Conselho Superior Acadêmico, do qual hoje faço parte, deliberou pelo cumprimento da liminar, mas estabeleceu que o Curso seria oferecido mas que a turma seria finita.

            Desde então nós os “otimistas”, os acadêmicos na sua quase totalidade, e as duas únicas professoras do Curso, cumprimos com o nosso labor dentro das condições oferecidas pela Instituição, porém insistimos na oferta regular do Curso, com garantia de entrada anual –e toda a sua consequente derivação: contratar docentes e técnicos, obter recursos específicos: laboratórios, prédios, Núcleo de Prática Jurídica, mil títulos na biblioteca, entre outras obrigações do MEC.

            Após dezoito meses, como professora em estágio probatório, pergunto-me: Quais razões ainda impediriam a criação de um Curso de Direito estável em Guajará-Mirim? Já temos uma turma com mais de sessenta discentes, que, como primeira turma, sofre com a pouca estrutura e com os poucos professores, mas estamos seguindo, dando o nosso melhor para o Curso. É quase unânime a aceitação da Sociedade em favor da abertura de vagas regulares, via ENEM, a um Curso de Direito permanente em Guajará-Mirim.

            Como fruto desta vivência do Curso, discentes do quinto período de Direito desenvolveram diversos projetos de boa repercussão social, como raros possuem, diga-se, tal como o Projeto Aprender Direito, que oferece gratuitamente aulas para quem deseje concorrer ao concurso da Defensoria Pública do Estado de Rondônia. Tenha ou não o estudante um resultado satisfatório na sua atividade, o fato que se destaca é o aumento da base de conhecimento jurídico de parcelas da Sociedade.

            Para este Projeto exemplar buscaram os nossos discentes a parceria de uma entidade privada que os apoiou, cedendo espaço físico e apoio para divulgação. Merecem o meu respeito estes acadêmicos e a entidade que os apoiou. Merecem acolhida pelos órgãos competentes todas as iniciativas derivadas do interesse em manter viva a chama do estudo sistemático do Direito em Guajará-Mirim.

            Os acadêmicos, ainda em formação, já contribuem (e gratuitamente) para o desenvolvimento socioeducativo da Comunidade. Além destas pessoas, neste momento, todos os outros acadêmicos do Curso realizam outras ações sociais e voluntárias para popularizar e divulgar o saber jurídico, clara ação plural de Cidadania, em prol de uma Guajará-Mirim mais consciente e mais plena de si. Imagine a contribuição destes profissionais após concluído o seu Curso! Exercer uma profissão, ser cidadãos no mundo, qualquer horizonte ficará melhorado com esta construção educativa.

            Insisto em afirmar que o Curso de Direito já está contribuindo, e poderia sim contribuir muito mais, para o desenvolvimento de Guajará-Mirim, porque nunca será demais a formação de profissionais nesta área geográfica historicamente periférica, como é a nossa: afastada dos grandes centros e visitada quase sempre somente por ocasião dos turnos eleitorais.

            Como professora do Curso de Direito, acredito que deva ser criado um Curso regular de Direito em Guajará-Mirim, dotado de corpo docente próprio e com toda a estrutura administrativa e funcional que essa alternativa merece.

            Esqueçamos, por favor, de argumentos que desmerecem a cidade ou argumentos típicos de temores de “fuga de professores para Porto Velho” ou a outra cidade do Brasil. Esta construção dependerá de nós, do nosso esforço em proteger o trabalho e as iniciativas das pessoas. Por que escolher argumentos negativos quando podemos formular argumentos poderosos baseados no direito de as pessoas exercerem mais condignamente os seus valores da cidadania e no direito à educação?

            Pergunto-me ainda a quem interessaria afastar de Guajará-Mirim o Curso de Direito bem como fazer perderem-se cursos de pós-graduação que poderiam transformar esta cidade e possibilitar um futuro melhor para a juventude!

            Relembro-lhe, caro amigo, cara amiga, que a ausência de Estado permite a presença de outras forças menos cidadãs que sugam o sangue, o dinheiro e a vida das pessoas. O descaminho, o contrabando, o tráfico de drogas, a contaminação ambiental, atraem, por um lado, forças necessárias da repressão e do controle, enquanto, por outro lado, o papel da Universidade deve ser o de municiar os cidadãos com conhecimento e formação de qualidade, fazê-los participar da realidade do local, conceder titulações que os permita evitar chegar a aquelas situações-limite.

            Acredito sim que, em tempos da tão decantada Pátria Educadora, a Universidade Federal de Rondônia deve lançar o olhar também para estas paragens fronteiriças do poente, distantes de Porto Velho, para cumprirmos com a Missão da Academia: Olharmos para a frente na construção do espaço do saber, cumprirmos com os pleitos que estão presentes no Plano de Desenvolvimento Institucional da UNIR para a nossa cidade, pensarmos na maior contribuição que um Curso de Direito proporciona aos jovens guajaramirenses.

            O conhecimento, neste rincão da Amazônia, ajudará a superarmos os feudos políticos e um subdesenvolvimento latejante. Sejamos destemidos em prol da implantação de cursos de graduação públicos e gratuitos! Conclamo a Sociedade de Guajará-Mirim a reivindicar das forças políticas a implantação de um Curso de Direito regular na cidade.

            Essa luta poderá ser longa e árdua porque não são poucos os inimigos de plantão! Mas estou confiante em uma vitória que propiciará a Guajará-Mirim o seu Curso de Direito ofertado anualmente pela nossa Universidade Pública Federal.

            Mas uma andorinha só não faz verão: somente com farto apoio popular e institucional, que faça frente aos pessimistas de plantão, poderemos tornar isso uma realidade. E, ganhando, estaremos prontos para lutar contra o “bom problema”: Abrir espaços de emprego, trabalho e renda para pessoas graduadas em Direito em Guajará-Mirim!

            A Pérola do Mamoré deverá voltar a brilhar quando todos e todas assumirmos como nossas as batalhas pelo desenvolvimento local e pelo futuro das gerações de guajaramirenses! O Curso de Direito para Guajará-Mirim é apenas uma das batalhas!

* Patrícia Helena dos Santos Carneiro, advogada, é doutora em Direito, professora do Departamento Acadêmico de Ciências da Administração do Campus de Guajará-Mirim da Universidade Federal de Rondônia, eleita ao Conselho Superior Universitário.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.