Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

EDUCAÇÃO BRASILEIRA: ENTRE A NECESSIDADE E A QUALIDADE


 
• Leudo Buriti

Segundo dados publicados pela UNESCO, uma grande parcela dos alunos de diferentes níveis educacionais apresenta deficiências críticas no Brasil. É evidente o avanço no âmbito da educação ao longo dos tempos em nosso país. Entretanto, ainda conforme dados do referido órgão e publicados no relatório “Educação para Todos”, o Brasil está entre os 53 países que ainda não atingiram e nem estão perto de atingir os objetivos de “Educação para Todos até 2015”. Nosso país amarga a 88ª posição no ranking de desenvolvimento educacional, atrás dos países mais pobres da América Latina, como o Paraguai, o Equador e a Bolívia. Tais dados soam absurdos numa época em que se fala tanto dos avanços e “credibilidade” do país. 

Mesmo sem pretender fazer uma análise profunda sobre o tema (complexo e, ao mesmo tempo, contraditório), alguns pontos merecem ser destacados. Sem ir muito longe, a imprensa do nosso Estado têm noticiado a greve de professores da rede estadual de ensino. De um lado, professores indignados com a proposta de reajuste salarial feita pelo governo, do outro lado, agentes públicos fechados ao diálogo, e no meio disso tudo está quem mais sofre – os alunos das escolas em greve. Constantemente é negado o direito à educação. Mal começa o ano letivo e as aulas são paralisadas. Porém, não queremos uma educação de qualquer modo. Educação é assunto para ser levado a sério. Precisamos dos nossos jovens e crianças em salas de aulas dignas. O mínimo de conforto é necessário para que se crie um ambiente propício à aprendizagem. Salas confortáveis, recursos técnicos e didáticos disponíveis, acervo bibliográfico atualizado para professores e alunos, acesso a internet, merenda escolar (sim, nem todos saem de casa devidamente alimentados), tudo isso faz parte ou, pelo menos, deveria fazer parte da nossa educação ou da preocupação daqueles que a conduzem. 

Não se trata de utopia. Trata-se de necessidade urgente. Levar em consideração tais questões deveria fazer parte de todo e qualquer governo que se preocupa com a educação de seu povo. A “educação para todos” anseia, antes de qualquer coisa, por qualidade. É muito bom saber que pesquisas revelam que o acesso ao ensino fundamental está quase universalizado no Brasil, com 94,4% da população de 7 a 14 anos incluídos nesse nível de ensino. Pergunta-se: qual a real porcentagem dos alunos brasileiros que saem do ensino médio competentes em língua portuguesa e matemática (para ficar apenas nessas duas disciplinas?). Não é raro vermos professores espantados com o não domínio de regras gramaticais básicas por parte de seus alunos. As lacunas deixadas por uma educação de má qualidade no ensino fundamental refletirá durante toda a vida estudantil. Os problemas de interpretação textual, do ensino básico à universidade, são gritantes. Aprende-se ler apenas o que está explícito, aquilo que é óbvio. O que está apenas sugerido nas entrelinhas torna-se um imenso vácuo entre leitor e produtor do texto. Nem sempre quantidade é o suficiente. 

E como falar de qualidade na educação sem falar em professores mal renumerados e desestimulados profissionalmente? Paga-se muito pouco àqueles que formam os nossos futuros médicos, advogados e dentistas. É vergonhosa a realidade salarial dos profissionais em educação no Brasil. Entre todas as profissões, esta deveria ser uma das mais bem renumeradas. Negar seus direitos e garantias é contribuir para uma educação fragilizada. Infelizmente não temos outro caminho se não a greve. A luta por uma educação de qualidade e com salário digno não é somente dos profissionais em educação, ela envolve toda a sociedade. O reflexo de uma má ou boa educação incide diretamente sobre todos nós. Não dá para fechar os olhos, assim como não dá para viver apenas de números. E como diz na canção, “a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte, a gente não quer só comida, a gente quer saída para qualquer parte...”

*Leudo Buriti – é advogado pós-graduado em direito público e constitucional.

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.