Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Dia Nacional da Consciência Negra– Invisibilidade da raça ou resgate das suas raízes históricas?


                                                                                                                             
Prof. EDilson Lobo

Neste 20 de novembro, comemoramos o Dia Nacional da Consciência Negra. Curiosamente, dando uma verificada de passagem nas notícias diárias, percebe-se que muitas delas estão mais preocupadas com a quantidade de municípios ou estados onde a data já se constitui em feriado ou ponto facultativo, por outra, a preocupação do empresariado, principalmente ligado ao comércio, em entrar com liminares na justiça, pela inconstitucionalidade dele.

Um dia criado para que não nos esqueçamos do legado, da importância e do despertar para os graves problemas e as tentativas de aniquilamento a que foi relegado o povo negro do brasil, sintetizados na figura de Zumbi dos Palmares, converte-se em pendengas jurídicas. Perde-se a dimensão dos seus propósitos, por meras discussões econômicas. Quem mais ganha ou perde financeiramente com o fechamento do comércio.

Não quero entrar no mérito de quem tem razão nessas disputas, o que é de se lamentar é o obscurantismo que estas ações proporcionam a uma causa das mais justas, para com uma gente que foi subjugada por séculos aos maus tratos das senzalas, a viverem como entes sem alma, sem dignidade e sem liberdade.

Passado mais de um século da sua libertação, o negro pouco avançou no Brasil, do ponto de vista das suas conquistas sociais, econômicas e políticas. Continua segregado nos guetos nas favelas e nas periferias da cidade. Ainda é o salário mais baixo na pirâmide social, bem como é o que padece do maior índice de violência e de criminalidade em relação aos não negros, conforme pesquisa do IPEA (Instituto de Pesquisa Aplicada, vinculado ao governo Federal).

Essa condição de discriminação do negro, segundo essa mesma pesquisa, é consequência de um duplo processo, o econômico, condicionado pela transmissão inter-geracional de baixo capital humano, face a ausência de políticas inclusivas, reflexos das preferências elitistas do Brasil colônia que proporcionava na escola, a formação de uma  elite branca e, de outra forma, a crença inoculada de uma raça inferior, cuja ideologia sustentava a escravidão e infelizmente não se esgotou com a abolição.

Esse sistema de opressão, é a supressão de uma situação universal da existência de um povo, de uma condição mais humanizada e civilizatória. Impossível negar a história do negro brasileiro pois a sua herança está fincada nas raízes da cultura da nossa gente que através dos seus saberes contribuiu para a formação do Brasil.

Como não perder de vista essa memória e como contrapor essa situação de iniquidade para com um povo que tanto fez para a grandeza dessa Nação?

Apesar da Lei 10.639, criada em 2013que determina o ensino da cultura afro-brasileira, Sabemos muito pouco da história da África, dos nossos afrodescendentes. Não aprendemos ainda, como na cultura branca, com raríssimas exceções, reverenciar as personalidades, e os grandes nomes que se engajaram, lutaram tenazmente por um povo livre e, fizeram e fazem a história desse País.

Reconhecer a desigualdade, o quanto o negro é discriminado e ter consciência da diferença que separa o branco do negro no Brasil, é um bom começo para o resgate da sua dignidade, dos seus valores, da sua cultura, da sua existência como cidadão/ã e da sua plena liberdade.

VALEU ZUMBI!!!

 
Prof° Edilson Lobo
Do Departamento de Economia da Universidade Federal de Rondônia - UNIR
 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.