Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

'Deus abre imensos horizontes': dom Murilo Krieger conta o que acontece no Natal


CNBB - “No Natal, Deus abre imensos horizontes diante de nós, pois nos tira do caminho da morte e nos introduz no caminho da vida”. Essa é a reflexão apresentada pelo arcebispo de Salvador (BA) e vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Murilo Krieger, em artigo publicado no site da entidade. A partir da passagem do Evangelho de Lucas, a leitura definida para a missa da Noite de Natal, dom Murilo questiona o que acontece no Natal e conduz à resposta a partir dos acontecimentos narrados pelo evangelista.

Em Lucas 2, versículos 1 a 20, há o convite a contemplação do presépio: “A descrição que faz do que aconteceu na gruta de Belém nos deixa surpresos, pois Jesus não é descrito diretamente. Fôssemos nós a narrar o nascimento de uma criança, falaríamos de seu rosto e de seu choro, de seu tamanho e peso. Lucas nada nos diz a esse respeito. Não elogia Jesus e nem se preocupa em nos dizer como ele era”.

Gente de Opinião

Arquidiocese de Salvador/Sara Gomes | Dom Murilo Krieger é arcebispo primaz do Brasil

Dom Murilo continua dividindo a narrativa em duas partes, a primeira com destaque a Maria e José, submetidos ao poderio do imperador César Augusto, e a segunda em torno dos pastores, a quem a mensagem dirigida era marcada pela alegria.

De volta à contemplação, identificando a ausência de pormenores sobre Jesus naquele trecho do livro, dom Murilo destaca que toda a cena tem como centro o Filho de Deus na manjedoura: “Jesus é o centro do Natal. Tudo movimenta-se ao seu redor, isto é, ao redor de uma criança que, como toda criança, é frágil e indefesa. Ele está no centro da vida de Maria e de José; no centro da vida dos pastores. Mais: no centro da História. Tudo gira em torno dele; tudo foi feito por ele e para ele”.

Nos presépios, obras que detém apreço na observação do arcebispo primaz do Brasil, todas as personagens estão em função de Jesus: “Todas estão voltadas para ele ou têm sentido em vista dele. José o protege. Maria é aquela que o enfaixa e o coloca na manjedoura. Os pastores, para visitá-lo, deixam seu rebanho. Jesus nada diz, nada ordena e, no entanto, todos são tocados por ele”.

Gente de Opinião

E neste sentido, a partir do nascimento, “Jesus passa a estar no centro da vida dos homens e mulheres, dos jovens e crianças de todos os tempos – também dos que não o aceitam”, escreveu dom Murilo, que ainda ressaltou: “Ele veio trazer a salvação e a paz para todos, mas não obriga ninguém a aceitá-las”.

“No Natal, o Pai dá o maior de todos os presentes à humanidade. Mas não nos dá Seu Filho porque somos santos, mas porque somos necessitados e precisamos de um Redentor. Sem ele – Caminho, Verdade e Vida -, pereceríamos. Sozinhos, não conseguiríamos trilhar o caminho do amor”, sublinha.

A resposta sobre o que acontece no Natal está em torno dos horizontes abertos com a introdução do povo de Deus no caminho da vida: “O apóstolo Paulo nos dirá que, no Natal, ‘a graça salvadora de Deus manifestou-se a toda a humanidade’, pois Cristo ‘se entregou por nós, para nos resgatar de toda iniquidade e purificar para si um povo que lhe pertença e que seja zeloso em praticar o bem’”, cita a carta a Tito.

Na simplicidade própria desta data, dom Murilo responde o que acontece no Natal: “nasceu para nós um menino” (Is 9,5). Jesus está no meio de nós!

Leia o artigo de dom Murilo na íntegra.

Confira todos os artigos de dom Murilo Krieger.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.