Porto Velho (RO) quinta-feira, 5 de agosto de 2021
×
Gente de Opinião

Opinião

DESENVOLVIMENTO E AMBIENTALISMO


Nos últimos anos o Brasil tem experimentado um avanço considerável no âmbito da regulação social. Ações tais como a adoção de políticas de cotas raciais nas universidades, a criminalização da discriminação por orientação sexual em curso no Congresso, a maior participação das mulheres na política ocupando postos centrais como ministérios e governos de estado e o comprometimento das ações públicas e privadas com o meio ambiente são sinais expressivos do novo momento que caracteriza este início de século. O país finalmente parece caminhar em direção a um cenário de desenvolvimento mais democrático, inclusivo e sustentado, em que antigas e novas aspirações precisam convergir.

A mudança de atitude em relação à questão ambiental, mais propriamente, é notável a partir do aumento dos investimentos em tecnologia voltados para energia limpa e renovável, como a energia solar, eólica, biodiesel e biogás. Ainda mais que os investimentos, expandem-se também a regulação e o controle social para este setor. Atualmente o país dispõe de um complexo arcabouço institucional, além de organizações públicas setoriais e específicas que, acompanhadas de perto por numerosos atores sociais, configuram uma dinâmica em torno da questão ambiental sem o que não é mais possível pensar em qualquer medida para o desenvolvimento do país.

Uma análise dessa arena política nos permite identificar e destacar dois tipos de atores ambientalistas que, mesmo lançando mão dos recursos democráticos disponíveis e autodenominando-se igualmente defensores do meio-ambiente, defendem, na prática, interesses claramente antagônicos. O primeiro deles é o ambientalista responsável, que trabalha de forma realista com o conceito de desenvolvimento sustentável. Ele busca a preservação do meio ambiente ao mesmo tempo em que defende o crescimento econômico, pois sua interpretação da natureza incorpora o homem e, por conseqüência, sua qualidade de vida. Para este ator, impedir a degradação da natureza bem como da vida humana é um valor fundamental.

O outro militante ambiental é o "preservacionista." Seu intuito inclui conservar o meio-ambiente a qualquer preço em todos os seus aspectos, incluídos aí as matas, os animais, os rios e a pobreza daqueles que as cercam. Este ambientalista não está imbuído, portanto, do espírito da nova época na qual o Brasil vem se inserindo, e seu ativismo acaba sendo instrumentalizado por outros interesses, mais preocupados em garantir os padrões de consumo dos países desenvolvidos. Esta postura mais radical e ao mesmo tempo conservadora, com argumentos frequentemente falaciosos ou ilusórios, encobre na realidade a assimetria de forças do mundo globalizado. Vale notar que as grandes organizações não-governamentais que normalmente assumem esse papel costumam agir aqui financiadas por recursos provenientes dos países desenvolvidos, que simplesmente foram e ainda são os maiores responsáveis pelos problemas ambientais, como o aquecimento global.

Em lugares como o Brasil, esse segundo grupo de ambientalistas atua como um instrumento útil aos países centrais, que no passado enviaram suas multinacionais para explorar matérias primas na periferia e hoje financiam algumas ONGs para bloquear ações de desenvolvimento e manter em enganosa redoma os nossos recursos naturais. Sendo o aquecimento global um fato, pode-se afirmar que o real interesse do preservacionismo é transferir parte da responsabilidade ambiental dos países ricos para os mais pobres, tendo como principal conseqüência o congelamento das desigualdades internacionais entre países desenvolvidos e não desenvolvidos.

Longe de retomar um modelo de desenvolvimento predatório, o que se espera é que os agentes públicos saibam discernir quais são os reais interesses em jogo e sejam capazes de neutralizar aqueles nocivos ao desenvolvimento sustentável. Isto implicará, por exemplo, em evitar que os preservacionistas impeçam o desenvolvimento nacional com armadilhas inseridas na complexidade do arcabouço institucional brasileiro com a falsa idéia de que podemos prescindir de novas hidrelétricas, cuja construção também já dispõe de tecnologias substancialmente menos prejudiciais ao meio ambiente, em troca apenas da geração de energias complementares e de âmbito local. Essas são sempre muito bem-vindas para a diversificação da nossa matriz energética, porém, insuficientes.

Em que pesem os avanços regulatórios, vários ajustes institucionais ainda são oportunos. O Brasil precisa elevar sua taxa de crescimento e, para tanto, requer que os projetos de infra-estrutura saiam do papel, particularmente os do setor energético. É plenamente possível e benéfico compatibilizar o desenvolvimento econômico e social, há muito acalentado pela sociedade brasileira, com as novas demandas ambientais do mundo contemporâneo. Logo, é preciso que os atores envolvidos encontrem o equilíbrio necessário, e permitam que o país continue avançando com o mesmo espírito conciliador e progressista que tem inspirado as decisões públicas deste início de século em diversas áreas da vida social.

Verônica Cruz, Cientista Política.
Marcelo Coutinho, Cientista Político e Coordenador do Observatório Político Sul-Americano (OPSA) do IUPERJ.

Mais Sobre Opinião

Servidores e sindicatos, uni-vos!

Servidores e sindicatos, uni-vos!

Vem aí mais uma arapuca para tentar solapar garantias e direitos conquistados com muito sacrifício pelo funcionalismo, como a estabilidade da catego

Bento XVI critica os representantes da igreja alemã + Antissemitismo e extremismo em voga + Já 3.462 cristãos assassinados este ano na Nigéria

Bento XVI critica os representantes da igreja alemã + Antissemitismo e extremismo em voga + Já 3.462 cristãos assassinados este ano na Nigéria

BENTO XVI CRITICA OS REPRESENTANTES DA IGREJA ALEMàAlém de Funcionários Pessoas de FéAs palavras do Papa emérito, proferidas numa entrevista ("Última

Retorno às aulas é quase um suicídio

Retorno às aulas é quase um suicídio

A inconsequência parece mesmo não ter limites na conduta de dirigentes e autoridades públicas. Falar em retorno das aulas presencias na rede pública

Um bom sinal

Um bom sinal

. Há quem diga que nunca se roubou tanto dinheiro da sociedade como nos últimos dezenove anos.