Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Como vencer as tentações


Dom Antonio Carlos Rossi Keller
Bispo de Frederico Westphalen (RS)

O Evangelho deste 1º Domingo da Quaresma (Mateus 4, 1-11), nos mostra a luta de Nosso Senhor Jesus Cristo contra Satanás, usando sempre frases da Sagrada Escritura, como que a sugerir-nos que da Palavra de Deus nos vem a luz para sabermos o que havemos de fazer, na hora da tentação.

O Demônio tenta-nos sempre com a mesma tática.

‑ Parte, de ordinário, de uma coisa naturalmente boa. Em seguida deforma-a, exagerando, transformando em outro o objeto inicial da tentação.

Nas tentações de Jesus, o demônio parte da fome (1ª); da Sua missão de Messias que devia ser reconhecida por todos (2ª); e de Ele querer estabelecer um Reino universal (3ª).Para nós, pode partir do cansaço, de qualquer carência natural, da amizade, do cuidado das coisas temporais, etc.

‑ Quando nos quer enganar, não nos leva, em geral, a dizer não a Deus imediatamente, mas a atrasar o nosso sim a Deus, a deixar para depois. Ele sabe que, por sucessivos adiamentos, consegue levar-nos a faltar ao dever.
Nas três tentações a que se submete, Jesus resume todas aquelas que podemos sofrer:

‑ Voltar todas as nossas preocupações para os cuidados materiais da vida. Depois, o prazer é desligado da sua finalidade: ao comer procura o sabor, em vez da alimentação; na sexualidade, o prazer, em vez de o colocar ao serviço da vida, do amor e da família; no desejo de alcançar um fim (mesmo bom) o inimigo leva-nos a não olhar os meios para o conseguir. Um fim bom nunca pode justificar meios que Deus condena.

Na Quaresma, aprendemos a lutar contra as tentações, a renovar nossa vida de filhos de Deus. Preparemo-nos generosamente para uma renovação interior nesta Quaresma, pela fidelidade às promessas do nosso Batismo.

Preparemo-nos também para a luta, o combate espiritual da santificação. «Jejuou quarenta dias e quarenta noites e, por fim, teve fome.»Todo o bom desportista prepara-se cuidadosamente para a competição, treinando-se e prevenindo-se contra a tática do adversário. Jesus Cristo prepara-Se para este combate singular pela oração e o jejum durante quarenta dias e quarenta noites.

O jejum pode apresentar-se sob diversas formas:
‑ na comida e bebida, com referências à qualidade e à quantidade;
‑ nos olhos e nos ouvidos, quando nos abstemos de coisas más e de outras que, mesmo sendo boas, nos custa passar sem elas, tais como programas de televisão, restringir o uso do carro, mortificar os olhos, a língua nas conversas, restringir o uso da internet, etc.
‑ A mortificação há de ser contínua, como os exercícios do atleta, para o manterem em boa forma.

Recorramos filialmente à ajuda de Nossa Senhora, a fim de alcançarmos a vitória.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.