Porto Velho (RO) sexta-feira, 4 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Carnaval, ópera de rua


Carnaval, ópera de rua - Gente de Opinião 
Faustino Vicente *

Na qualidade de presidente de uma associação, que fez do intercâmbio de informações e experiências empresariais a sua grande missão, tivemos o prazer de integrar uma Diretoria que promoveu um expressivo número de eventos sobre excelência organizacional.

Japão, Argentina, Uruguai, Bolívia e Colômbia se fizeram representar nessas promoções e, do nosso país, contamos com profissionais de todos os escalões hierárquicos e dirigentes da mais variadas entidades. Das várias esferas governamentais, recebemos diversas autoridades, inclusive dois Ministros de Estado.

Um desses seminários, cujo tema era - Motivação e Criatividade -, ficou marcado de maneira indelével pela genialidade do seu apresentador – o consagrado carnavalesco Joãozinho Trinta.

A ginga do passista e a magia do futebolista brasileiro são embaixatrizes da cultura de um povo, que fez da sua incorrigível alegria o reluzente brilho da Marca Brazil.

Da riquíssima diversidade das formas de expressão do carnaval – fantástica ópera de rua - nosso enfoque vai para as escolas de samba, cujo pioneirismo pertence a “Deixa Falar” fundada em 1928, pelos sambistas: Ismael Silva, Bide, Brancura, entre outros.

Do Criador à criatura, da pobreza à riqueza, da tradição à inovação,da flora à fauna, da história à geografia e da antiguidade à atualidade, surgem temas que se transformam em samba-enredo – espinha dorsal do desfile – gerador do maior espetáculo de artes ao ar livre do planeta azul.

A análise gerencial, do cotidiano das escolas de samba, revela a aplicação de conceitos de consagrados especialistas mundiais, em gestão da excelência, como por exemplo o PDCA de Deming, a adequação de uso com satisfação do cliente de Juran, as equipes de trabalho de Ishikawa, a filosofia de Crosby, e os sábios ensinamentos de Peter Drucker.

A empregabilidade, habilidade eclética do profissional moderno, também desfila nas avenidas deste país continente, pois os foliões sabem sambar, cantar, fazer evoluções e interpretar o personagem que representam no contexto.

Motivada, a galera se levanta, estufa o peito e solta o tão aguardado grito de...é Campeã!!!...é Campeã!!!...é Campeã!!!.

Por alguns instantes o sonho da igualdade universal acontece no verso do poeta, no som inconfundível do tamborim, no largo sorriso das passistas, na mistura das raças, credos, hierarquias, profissões e classes sociais

Nessa hora a emoção fala mais alto e a adrenalina vai a mil, pois é o reconhecimento, e a valorização, do árduo trabalho de milhares de pessoas – a grande maioria anônima – que durante o ano todo se desdobra nas tarefas do barracão, na confecção das fantasias e das alegorias e participa dos ensaios na quadra.

Colocar na passarela milhares de sambistas, com perfeita noção de tempo e de espaço e gerenciar o escasso orçamento da agremiação requer, sem dúvida alguma, muita criatividade para provocar efeitos especiais de baixo custo.

Deve haver muita harmonia entre o planejamento estratégico e o “jogo de cintura” dos dirigentes, para lidar com pessoas de características tão diversificadas.

Da leveza das evoluções da porta-bandeira à agressividade das batidas nos surdos, podemos assistir a uma aula singular de MBA ( Master of Business Administration) que, simbolicamente, podemos traduzir por - doutoramento tupiniquim.

Para que as organizações de todos os portes e segmentos, possam agregar valores com o estilo interativo das escolas de samba, basta que seus executivos dêem oportunidades (iguais) para o funcionário possa revelar e desenvolver todo seu potencial empreendedor.

Sendo o carnaval brasileiro, através de suas mais variadas expressões regionais, a nossa mais internacionalizada manifestação cultural, encerramos com o seguinte alerta: vamos explorar o turismo, não o turista.

Faustino Vicente – Advogado, Professor e Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos - e-mail: faustino.vicente@uol.com.br - Jundiaí (Terra da Uva) – São Paulo - Brasil

Mais Sobre Opinião

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O TRIBUNAL EUROPEU (TEDH) DÁ ANDAMENTO À  QUEIXA “ACÇÃO CLIMÁTICA” DAS CRIANÇAS PORTUGUESASNo rescaldo de Pedrogão Grande onde o Fogo matou 110 Pessoa

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Acirra-se a briga pela presidência da Câmara Municipal de Porto Velho. O atual presidente Edwilson Negreiros está articulando um grupo forte para gara

Sua Excelência a abstenção

Sua Excelência a abstenção

Independente de quem saía consagrado das urnas no segundo turno do pleito para a prefeitura de Porto Velho (Hildon Chaves ou Cristiane Lopes), certo

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho