Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Carnaval, ópera de rua


Carnaval, ópera de rua - Gente de Opinião 
Faustino Vicente *

Na qualidade de presidente de uma associação, que fez do intercâmbio de informações e experiências empresariais a sua grande missão, tivemos o prazer de integrar uma Diretoria que promoveu um expressivo número de eventos sobre excelência organizacional.

Japão, Argentina, Uruguai, Bolívia e Colômbia se fizeram representar nessas promoções e, do nosso país, contamos com profissionais de todos os escalões hierárquicos e dirigentes da mais variadas entidades. Das várias esferas governamentais, recebemos diversas autoridades, inclusive dois Ministros de Estado.

Um desses seminários, cujo tema era - Motivação e Criatividade -, ficou marcado de maneira indelével pela genialidade do seu apresentador – o consagrado carnavalesco Joãozinho Trinta.

A ginga do passista e a magia do futebolista brasileiro são embaixatrizes da cultura de um povo, que fez da sua incorrigível alegria o reluzente brilho da Marca Brazil.

Da riquíssima diversidade das formas de expressão do carnaval – fantástica ópera de rua - nosso enfoque vai para as escolas de samba, cujo pioneirismo pertence a “Deixa Falar” fundada em 1928, pelos sambistas: Ismael Silva, Bide, Brancura, entre outros.

Do Criador à criatura, da pobreza à riqueza, da tradição à inovação,da flora à fauna, da história à geografia e da antiguidade à atualidade, surgem temas que se transformam em samba-enredo – espinha dorsal do desfile – gerador do maior espetáculo de artes ao ar livre do planeta azul.

A análise gerencial, do cotidiano das escolas de samba, revela a aplicação de conceitos de consagrados especialistas mundiais, em gestão da excelência, como por exemplo o PDCA de Deming, a adequação de uso com satisfação do cliente de Juran, as equipes de trabalho de Ishikawa, a filosofia de Crosby, e os sábios ensinamentos de Peter Drucker.

A empregabilidade, habilidade eclética do profissional moderno, também desfila nas avenidas deste país continente, pois os foliões sabem sambar, cantar, fazer evoluções e interpretar o personagem que representam no contexto.

Motivada, a galera se levanta, estufa o peito e solta o tão aguardado grito de...é Campeã!!!...é Campeã!!!...é Campeã!!!.

Por alguns instantes o sonho da igualdade universal acontece no verso do poeta, no som inconfundível do tamborim, no largo sorriso das passistas, na mistura das raças, credos, hierarquias, profissões e classes sociais

Nessa hora a emoção fala mais alto e a adrenalina vai a mil, pois é o reconhecimento, e a valorização, do árduo trabalho de milhares de pessoas – a grande maioria anônima – que durante o ano todo se desdobra nas tarefas do barracão, na confecção das fantasias e das alegorias e participa dos ensaios na quadra.

Colocar na passarela milhares de sambistas, com perfeita noção de tempo e de espaço e gerenciar o escasso orçamento da agremiação requer, sem dúvida alguma, muita criatividade para provocar efeitos especiais de baixo custo.

Deve haver muita harmonia entre o planejamento estratégico e o “jogo de cintura” dos dirigentes, para lidar com pessoas de características tão diversificadas.

Da leveza das evoluções da porta-bandeira à agressividade das batidas nos surdos, podemos assistir a uma aula singular de MBA ( Master of Business Administration) que, simbolicamente, podemos traduzir por - doutoramento tupiniquim.

Para que as organizações de todos os portes e segmentos, possam agregar valores com o estilo interativo das escolas de samba, basta que seus executivos dêem oportunidades (iguais) para o funcionário possa revelar e desenvolver todo seu potencial empreendedor.

Sendo o carnaval brasileiro, através de suas mais variadas expressões regionais, a nossa mais internacionalizada manifestação cultural, encerramos com o seguinte alerta: vamos explorar o turismo, não o turista.

Faustino Vicente – Advogado, Professor e Consultor de Empresas e de Órgãos Públicos - e-mail: faustino.vicente@uol.com.br - Jundiaí (Terra da Uva) – São Paulo - Brasil

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual