Porto Velho (RO) sexta-feira, 27 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Campeonatos em excesso



Há umas cinco décadas existiam apenas os campeonatos estaduais. Os clubes sobreviviam deles e de amistosos. Tanto que o grande mérito dos maiores clubes eram as excursões nacionais, pelas regiões menos desenvolvidas e internacionais, com participação nos torneios de verão da Europa e em pequenos torneios pelo país afora. Vencer o Ramon de Carranza, Tereza Herrera e outros era considerado um grande feito para os grandes clubes brasileiros.

Depois veio a Copa do Brasil nos anos sessenta, com poucos jogos, com fases iniciais por regiões. Os campeões de cada região decidiam o título nacional. Em 1971 foi criado o Campeonato Nacional que, no decorrer do tempo, foi sofrendo modificações, até chegar nos moldes atuais.

A Taça Libertadores da América começou com o mesmo formato da Liga dos Campeões da Europa. Era bem enxuta. Bem atrativa. Começou com a participação dos campeões de cada país, depois se acrescentou o vice.  Aumentaram para 32 equipes. Mesmo assim é um campeonato motivador.

Ocorre que não pararam de criar campeonatos e o efeito principal foi torná-los todos muito chatos.

Um mesmo time grande hoje pode disputar os campeonatos Estadual, Primeira Liga, Nacional e Copa do Brasil; Taça Libertadores, Supercopa das Américas e Mundial de Clubes. E são os próprios clubes que reivindicam e depois reclamam de excesso.

Os grandes times se enfrentam constantemente e jogos que deveriam ser clássicos importantes passam a ser jogos cotidianos e desmotivados. O torcedor nem decora mais quais foram os jogos por esse ou aquele campeonato.

A televisão deixou de mencionar com antecedência quais os jogos transmitidos e nem tem mais nenhum tempo de introdução, de comentários antes das partidas; estas não são analisadas pelos comentaristas. Ficam apostando palpites para ambos os times e ainda reforçam que tinham afirmado isso e aquilo para enaltecer a condição de gurus, de antevisores. Eles deveriam analisar o que ocorre na partida, não dizer que os técnicos deveriam fazer isso e aquilo. A vitória só pode ser para um, o que torna impossível a sugestão para os dois.

Exageraram nos campeonatos para um clube só; a televisão mostra jogos todos os dias times muito fracos, os times não seguram nenhum jogador que interesse a qualquer divisão da Europa, Japão, China ou de qualquer outro lugar e fica apenas o que não interessa lá fora. E como resultado, o nosso futebol está acabando na técnica e até na expectativa do brasileiro.

É preciso sermos mais criativos com nossos próprios métodos, pararmos de copiar literalmente a Europa, pois a cultura e as condições socioeconômicas são bem diferentes. E um grande clube deveria disputar no máximo três competições, mais o Mundial de Clubes, no caso de vencer a Libertadores.

Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP

   Bacharel em direito

Mais Sobre Opinião

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Até o momento, ao que tudo indica, parece que a definição sobre quem será o próximo prefeito ou prefeita de Porto Velho é “favas contadas”. O atual

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Recebi de um amigo um vídeo em que o candidato à prefeitura de Porto Velho, Vinicius Miguel - em quem votei no primeiro turno da eleição de domingo (1

Os náufragos de 2020

Os náufragos de 2020

Não foi apenas o presidente Jair Bolsonaro que saiu perdendo nas eleições municipais de 2020. A esquerda foi massacrada nas urnas. Exemplo disso é o

O recado das urnas

O recado das urnas

A renovação substancial da Câmara Municipal de Porto Velho, além da decepção causada a muitos dos que atualmente exercem mandato de vereador, há de