Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

As letras e a paz


 
João Baptista Herkenhoff


O primeiro desafio que enfrento, quando me coloco à frente do computador para escrever o artigo semanal que me compete, é a escolha do tema. Às vezes a inspiração mergulha no silêncio e nada me ocorre. Outras vezes pululam na mente dezenas de possibilidades. Entre o completo vazio interior e a voz estridente de uma pluralidade de assuntos, há uma situação particularmente delicada. É quando dois temas, apenas dois disputam atenção, como está ocorrendo neste momento.

Devo tratar de Literatura, já que comemoramos justamente hoje o aniversário de fundação da Academia Espírito-Santense de Letras, a mais importante instituição cultural do Estado onde moro?
Ou discorro sobre a Paz tendo em vista o perigo de uma guerra mundial, se os Estados Unidos cometerem a insensatez de invadir a Síria?

Opto por matéria de sabor local (academia de letras plantada no solo capixaba); ou alargo a vista além-fronteiras para cuidar da Síria distante, encravada entre a Jordânia, o Iraque, a Turquia e o Líbano?

Que tal fundir as matérias e falar sobre a relação entre as Letras e a Paz?

A Literatura, em alguns de seus mais gloriosos vôos, exaltou a Paz (Tolstói, Hemingway, por exemplo). Entretanto outras vezes a Literatura, ainda que em obras inexpressivas, pactuou com a Guerra.

Vejo a Literatura a serviço da justiça e da verdade, opondo-se a tudo que nega esses valores. O escritor engrandece seu ofício quando, através da pena, torna-se profeta de um mundo novo, pacífico, solidário e justo.

A academia é um espaço de convivência entre pessoas que vivem na dimensão do ser, pessoas que buscam a construção da fraternidade. Multipliquem-se as academias no território brasileiro e estaremos construindo uma rede de defensores do diálogo, da compreensão, da fraternidade universal.

A ideia de paz acolhida nas mentes e corações resulta de uma busca da inteligência e da vontade. O grande desafio é: disseminar o sentido de paz em todo o organismo social; educar para o florescimento, a manutenção e a defesa da paz; plasmar uma cultura da paz radicada no inconsciente coletivo.

Esse esforço educacional terá, necessariamente, diversos artífices, diversas fronteiras de atuação. Papel fundamental cabe a aqueles que fazem da palavra estrita ou falada seu instrumento de trabalho.

A luta a favor da paz não é fácil. Interesses econômicos monumentais sustentam as guerras. Na maior potência do mundo, alternam-se governos, mudam os atores que tomam lugar no palco, mas a política belicista continua exatamente a mesma.

João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado, Livre-Docente da Universidade Federal do Espírito Santo, palestrante pelo Brasil afora e escritor.

E-mail: jbherkenhoff@uol.com.br
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/2197242784380520

 

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.