Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Artigo

Lockdown para quê?


Lockdown para quê?  - Gente de Opinião

Há uma expressão inglesa horrorosa que se tornou muito popular, Lockdown, que significa confinamento ou fechamento do comércio, confinamento das pessoas, restrição ao direito de ir e vir, que passou a ser utilizado no combate ao coronavírus. É, de fato, a proibição total de deslocamentos pelas ruas, da abertura do comércio, um atentado contra direitos fundamentais humanos, como a de liberdade, de livre arbítrio, da livre circulação, inclusive inscritos na constituição.  É certo optar pelo lockdown quando, na fase inicial do vírus, quando ainda se pode impedir sua propagação, mas, como se sabe, o vírus é rápido. Depois que se espalha confinar as pessoas implica em muito mais contaminação. Nova York está aí para provar. Quem não pensa assim é o prefeito de Porto Velho, que, num voluntarismo incompreensível, invés de consultar a sociedade, deseja impor sua opinião que, convenhamos, parece ser, no momento, uma opção na contramão do bom senso. O argumento do prefeito é o de que os casos de coronavírus tiveram um sensível aumento nos últimos tempos. Não se pode negar que sim, porém, isto faz parte do ciclo do vírus. Agora o que vai adiantar, quando o vírus se propagou, um isolamento total por 14 dias? Para adequar o sistema de saúde não serve, pois, se, com 90 dias de paralisação não se obtiveram resultados, não serão mais duas semanas que farão diferença. E o isolamento total pouca diferença faz, pois, apenas aumenta em 3% as pessoas que, realmente, ficarão em casa. O correto, como dizem os especialistas, é proteger os grupos de riscos, mapear os casos e iniciar o protocolo, com uso de diversos medicamentos, desde os primeiros sintomas. Todavia, o prefeito deveria explicar, lockdown para quê se a maioria da população anda cansada de ficar em casa, de não ter uma vida normal e, muitos, mesmo com as medidas proibitivas, não perdem a ocasião de fazer festas e reuniões sociais privadas, de se deslocar em bandos de 10 ou 15 para igarapés?  Lockdown para quê se grupos dre jovens  debocham do isolamento social e fazem festas com nomes alusivos ao coronavírus e ao comportamento totalitarista de nossas autoridades? Para quê se seu filho no fim de semana foge para ver os amigos ou a namorada e pode estar levando o vírus para dentro da sua casa.  Sim, eu sou contra o lockdown porque ele somente terá o efeito de sacrificar os micros e pequenos empresários, de judiar de trabalhadores, autonômos e informais, dos que precisam trabalhar para sobreviver. Sou sim a favor da vida e ser a favor da vida é fazer a economia girar. Não deixar que as pessoas passem fome nas suas casas. Sou sim a favor da saúde mental dos empresários, dos taxistas, dos motoristas de aplicativos, vendedores ambulantes, ou não,  dos trabalhadores que estão perdendo seus empregos. Que fique em casa quem puder. Faça isolamento social aqueles que podem. Que se faça as compras de forma objetiva e rápida e se volte para casa com todos os cuidados do protocolo de segurança recomendados. O vírus somente pode ser enfrentado com apoio da população, com conscientização.  A maior ameaça neste momento é exagerar na dose. Os antigo dizem que tudo demais é veneno. Até mesmo água. Imagine lockdown!

Mais Sobre Artigo

Motivação e autoestima em alta para o Enem

Motivação e autoestima em alta para o Enem

Todos os anos os candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) sentem muita ansiedade em relação à prova. Esse ano, porém, muitos estão mais est

A solução paras as empresas que precisam demitir

A solução paras as empresas que precisam demitir

Mesmo tendo segurado muito as pontas, algumas companhias simplesmente não vão escapar da crise e, sem necessariamente desejar, terão de demitir. E é a

A representatividade política em xeque

A representatividade política em xeque

Há, principalmente na esquerda, um percentual grande de pessoas que não gostam de Bolsonaro, até mesmo odeiam, mesmo que por razões certas ou errada

Tiroteio improdutivo

Tiroteio improdutivo

Mais avança a consolidação do estado de direito, mas se torna necessário buscar o entendimento. Os altos interesses públicos, numa verdadeira democr