Porto Velho (RO) domingo, 27 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Artigo

Ipam não honra compromissos financeiros


Jornalista Antônio Queiroz - Gente de Opinião
Jornalista Antônio Queiroz

A gestão administrativa do Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Porto Velho (Ipam) vem deixando muito a desejar há muito tempo. Os sofredores servidores municipais que necessitam dos atendimentos médicos em clínicas, hospitais e profissionais médicos estão perambulando em busca de cura para os problemas de saúde. Agora, com a chegada do corona vírus o quadro é desesperador. Explica-se: O Ipam não vem honrando os compromissos de pagamentos com os hospitais, clínicas e profissionais médicos desde abril; em alguns casos retroage a março.

Quando o servidor chega em uma clínica, hospital e/ou consultório médico e afirma que seu plano médico é Ipam, o atendente com a máscara, torce o nariz e franze a testa. Ruborizado, afirma que o atendimento não pode ocorrer pela inadimplência do citado instituto.

Não é preciso dizer que o servidor – no desespero – xinga a tudo e a todos.

Muita gente tem procurado atendimento médico em razão da Covid-19. O temerário vírus está causando sérios problemas na população. Mas, o prefeito Hilton Chaves prefere – segundo o colunista Zé Catraca, passear no México e deixa a comunidade porto-velhense e de seus distritos abandonada à própria sorte.

No ano passado, escrevi o artigo “O Ipam vai falir?”. Foi um pega prá capar. A secretária da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Velho (Semusa), Eliana Pasini, não bota o nariz prá fora com medo de contrair a Covid-19, mas no final do mês a sua grana está depositada na agência bancária. Enquanto isso, os proprietários de hospitais, clínicas e profissionais médicos correm aos bancos em busca de empréstimos para honrarem seus compromissos com seus funcionários e fornecedores.

Mais uma vez, o silêncio dos vereadores da Câmara Municipal de Porto Velho volta a ser perturbador. Não tem uma viva alma com assento naquele Poder Legislativo Municipal que venha – de público – cobrar e exigir o pagamento para os profissionais médicos, clínicas e hospitais. Porém, tem “Excelências” se dizendo pré-candidato a prefeito de Porto Velho e outras afirmando que estarão na luta pela reeleição.

A toda poderosa vereadora (como é mesmo o nome dela????) e presidente do sindicato da categoria dos servidores municipais finge que não sabe de nada. Não adianta os servidores reclamarem. Ela simplesmente se faz de morta e ....

Mas, as próximas eleições estão chegando, os servidores municipais de Porto Velho – em sua maioria – devem criar vergonha no fucinho e não votarem nesses edis que querem continuar “defendendo” (kkkkkkk !!!!!) a população.

Ah!, antes de terminar, é de bom alvitre que o Ministério Público do Estado de Rondônia (MPE/RO) e O Tribunal de Contas do Estado de Rondônia (TCE/RO) façam a defesa dos coitados servidores municipais que estão – nesse momento de grave disseminação da Covid-19, sem atendimento médico nos hospitais, clínicas e médicos, que – certamente, o Ipam vai contribuir para ajudar as funerárias de Porto Velho a ganharem muito dinheiro. As funerárias estão ampliando seus espaços para atendimento aos servidores que morrerem e contratando mais funcionários....enquanto isso: muchacho, onde está usted???


* Antônio Queiroz é jornalista

Mais Sobre Artigo

As crianças e a saudade da escola

As crianças e a saudade da escola

Por conta da quarentena, os professores estão tentando criar aulas online criativas, divertidas e interativas para que as crianças menores sintam me

O poder está com o eleitor

O poder está com o eleitor

Em uma semana, termina o período destinado às convenções partidárias e à definição sobre coligações para as eleições deste ano. Até o dia 26 de sete

Qual é a participação da agricultura familiar na produção de alimentos no Brasil e em Rondônia?

Qual é a participação da agricultura familiar na produção de alimentos no Brasil e em Rondônia?

Virou lugar-comum a afirmação de que a agricultura familiar é responsável por cerca de 70% dos alimentos produzidos no Brasil, sem que se encontrem da

O Poder Judiciário faz falta?

O Poder Judiciário faz falta?

O primeiro caso de coronavírus, segundo os dados do Governo Chinês, fora detectado no seu território na data de 17 de novembro de 2019 e, em 8 de de