Porto Velho (RO) domingo, 19 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Artigo

Guerra comercial entre os eua e a China: Porquê?

Números que podem ajudar a diminuir Preconceitos!


Guerra comercial entre os eua e a China: Porquê? - Gente de Opinião

O comércio dos EUA com a China é muitíssimo desfavorável para os EUA e a continuar como antes estava a correr perigo de se reduzir a uma subvenção do capitalismo comunista estatal na China.

Como relata a imprensa alemã, as importações de produtos da China pelos USA em 2017 cifraram-se em 506,3 mil milhões de dólares, enquanto a China importou apenas 130,4 mil milhões de dólares de mercadorias dos USA.

Em 2018 o balanço financeiro ainda foi pior para os USA. Enquanto os EUA importaram da China mercadorias no valor de 540,3 mil milhões de Dólares, a China importou dos EUA artigos no valor de 121,0 mil milhões de dólares. Em 2018 os USA tiveram um balanço financeiro negativo de 419,3 mil milhões de dólares.

O balanço comercial (importação e exportação de produtos) entre os USA e a Europa é desfavorável para os USA.

Assim podemos compreender melhor alguns preconceitos que se espalham nos Media em relação à atitude protecionista dos USA. Por esse fenómeno Trump (não sendo muito embora nenhum santinho) é cognominado, pelos adversários, de nacionalista e de populista.

Precisamos de uma economia que crie um equilíbrio social e melhores condições do meio ambiente dentro e fora dos próprios muros e não à custa do fomento da luta e do preconceito que alimenta muita gente a viver à custa dos pobres de todo o mundo e dos cidadãos empenhados no trabalho para enriquecer a sociedade.

Uma solidariedade estável sistematizada em cada Estado seria o primeiro passo para criar um modelo de sociedade que poderia ser exemplo de solidariedade com os outros povos.

Como pode um sistema interno injusto que não cumpre os deveres de casa justificar tanto idealismo e empenho fora da própria nação? Não estará por trás de tudo isto um turbo-capitalismo anónimo irmanado com um marxismo anonimizador, interessado em estabilizar o fenómeno da pobreza nos Estados ocidentais, em nome do combate à pobreza fora da civilização ocidental?

Doutro modo, porque facilitou o partido democrata, quando governava, a saída de empresas dos USA para a China e até as isentando de tachas aduaneiras? Porque apoiam os camaradas o regime chinês de ditadura capitalista- socialista?

Porque se irritam tanto com um Trump que no aspecto ideológico parece contribuir para um melhor equilíbrio obrigando a repensar-se o globalismo desenfreado? Nesta guerra parece encontrar-se escondida a luta entre os republicanos nacionalistas e patriotas que querem proteger o próprio mercado e os democratas progressistas mais interessados na implementação do globalismo. Isto leva à irritação em todo o mundo ocidental cada vez mais dividido entre conservadores e progressistas e irrita especialmente as nações europeias de economia forte que tinham apostado tudo na cartada de uma economia liberal sem consideração por interesses nacionais!

A política económica americana revelava-se num programa de apoio e fomento da ditadura chinesa, num desvio dos interesses ocidentais da África, América do Sul e Rússia e numa desobriga política das elites dos estados europeus perante os seus cidadãos.

Não se fale já da luta entre as diferentes formas de ver e entender a realidade!

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=5426

 

POLÓNIA CONTRA IMIGRANTES? NÃO!

 

Muitas vezes muitos dos seguidores do “politicamente correcto” acusam a Polónia de não aceitar imigrantes. A Polónia foi o país que mais imigrantes acolheu. Desde 2014 recebeu entre um milhão e milhão e meio de imigrantes da Ucrânia (cf. HNA). Isto num país com uma população de 37 milhões de habitantes. Os imigrantes ucranianos são refugiados da pobreza e de situações catastróficas no país. A Polónia é contra a imigração de muçulmanos e contra a imposição da EU nesse sentido.

A Polónia tem uma experiência histórica bastante negativa seja em relação a vizinhos europeus, seja a russos.

Na Polónia 30% dos alunos aprendem alemão, em 2017 eram 2,2 milhões; 1,5 milhões aprendiam russo e 1,4 milhões inglês.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=5424

 

ISRAEL OSTRACIZADO NA ONU!

 

No 70° aniversário da inclusão de Israel na ONU, o ministro da Justiça alemão H. Maas queixou-se do mau trato de Israel nos grémios da ONU e acusa: Israel é “denunciado de forma inapropriada, tratado unilateralmente e ostracizado”.

António da Cunha Duarte Justo

 

O DINHEIRO EUROPEU COBRE MUITAS NECESSIDADES!

“O Fundo de Solidariedade da União Europeia atribuiu a Portugal mais de 50 milhões de euros para responder à tragédia dos incêndios do verão de 2017, onde morreram mais de 100 pessoas.

Menos de metade do dinheiro foi entregue às áreas afetadas. O Governo “cativou” mais de 25 milhões de euros para despesas administrativas e serviços do Estado”, confirma o deputado José Cesário.

Como águas passadas não movem moinhos e para continuarmos cada vez mais na mesma é melhor seguirmos cantando e rindo como a cigarra. Apesar de tudo, a parte da sociedade que se expressa não vive mal.

António da Cunha Duarte Justo

Mais Sobre Artigo

“Não estamos para confrontar ninguém, mas não podemos nos omitir da nossa missão”, diz presidente do Cimi

“Não estamos para confrontar ninguém, mas não podemos nos omitir da nossa missão”, diz presidente do Cimi

Havia o prenúncio de uma guinada conservadora nas eleições da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), mas o resultado satisfez boa parte dos

Da urgência de uma ética global para a inteligência artificia

Da urgência de uma ética global para a inteligência artificia

A China está a estabelecer um "sistema de pontos de crédito social" (1) para recompensar e punir o comportamento social de seus cidadãos com pontos;

Inclusão do autista no mercado de trabalho

Inclusão do autista no mercado de trabalho

Há muitos mitos em torno de pessoas autistas e um deles é de que elas não podem entrar no mercado de trabalho. Pelo contrário, é possível. Quem tem TE

A saída é dar voz à cidadania

A saída é dar voz à cidadania

As eleições de 2018 produziu um fenômeno nocivo ao ambiente político nacional,