Porto Velho (RO) quarta-feira, 22 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Artigo

5 Países em que ser cristão pode custar a vida


5 Países em que ser cristão pode custar a vida - Gente de Opinião

A religião cristã é vista com bons olhos praticamente em todo o mundo. Seguir o caminho de Deus é o que está correto para praticamente todos os países, mas nem todos defendem esse princípio.

Existem, pelo menos, 250 milhões de cristãos em todo o mundo, mas alguns deles nasceram no local errado para seguir essa religião.

Em alguns determinados locais do mundo esta religião é proibida e existe até mesmo sentença de morte para quem a seguir.

Pode parecer estranho, mas a Coreia de Norte, por exemplo, possui uma crença principal diferente que é o Ateísmo, portanto possuem imensas dificuldades em aceitar o cristianismo.

Mas a Coreia do Norte não é a única que simplesmente ignora ou erradica mesmo o cristianismo, existem muitos outros países que o fazem diariamente.

Confira os 5 países em que ser cristão pode lhe custar a própria vida.

1.     Somália

A religião predominante da Somália é o Islamismo. Existem mesquitas e vários centros religiosos para praticar essa religião.

Mas parece que é a única religião que pode atuar lá.

Já deixaram mais do que claro que não permitem a entrada ou a conversão das pessoas no cristianismo.

Na maioria das vezes são mortas instantaneamente após a sua descoberta.

2.     Coreia do Norte

A Coreia do Norte é "vítima" de várias críticas devido ao extremismo que lá existe.

A religião lá praticada e o ateísmo e não deixam que exista outro tipo de religião no país.

Sempre que existe alguma suspeita de alguma pratica religiosa, essa pessoa é imediatamente identificada e acusada.

Na maioria das vezes são mesmo os vizinhos e até mesmo familiares que procedem à denúncia.

3.     Líbia

Tal como na Somália, pratica-se o islamismo na Líbia e essa religião é levada muito a sério.

Infelizmente existem problemas maiores na Líbia que é a falta de um único governo para ditar leis e colocar o país em ordem.

Definitivamente que não é um bom país para ser cristão.

4.     Sudão

No Sudão é muito frequente haver pressão contra os cristãos, mas isso não é pior.

Vemos constantemente várias igrejas serem demolidas, vários artefatos serem queimados e pior.

Alguns cristãos acabam por ser fortemente torturados até à morte.

O Estado Islâmico controla o Sudão e é muito restrito quanto à existência de novos grupos religiosos a não ser os deles.

5.      Índia

O Hinduísmo é a religião predominante na Índia e todos os outros grupos religiosos passam constantemente a serem atacados.

Para os indianos ser indiano significa ser hindu e nada mais.

Acham uma falta de respeito haver conversão para algo que nasce conosco, não permitindo assim a existência de outras religiões no País.

Infelizmente existem locais em que ainda não existe a possibilidade de escolha e de liberdade e isso é terrível para muitas pessoas.

Estudos divulgados pela organização Open Doors USA.

Mais Sobre Artigo

Marketing pessoal: por que todo advogado deve conhecer?

Marketing pessoal: por que todo advogado deve conhecer?

A falta do marketing pessoal adequado pode impedir um advogado de ir mais longe na carreira. Entenda a importância dessa prática e como fazer.O mark

Pelo fim da precificação dinâmica nos apps de transporte: um apelo humano e pró-sociedade

Pelo fim da precificação dinâmica nos apps de transporte: um apelo humano e pró-sociedade

As fortes chuvas que assolaram o Rio de Janeiro no início de abril não apenas deixaram famílias entristecidas com a perda de entes queridos e mesmo a

Criança aprende a crer na ciência no Ensino fundamental

Criança aprende a crer na ciência no Ensino fundamental

CARLOS ORSI Diretor do Instituto Questão de Ciência e editor da Revista Questão de CiênciaA maioria das crenças e opiniões sobre ciência e saúde são a

Guerra comercial entre os eua e a China: Porquê?

Guerra comercial entre os eua e a China: Porquê?

O comércio dos EUA com a China é muitíssimo desfavorável para os EUA e a continuar como antes estava a correr perigo de se reduzir a uma subvenção do