Porto Velho (RO) domingo, 19 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: Tristeza eleitoral tem cura?


Certa vez Edson Arantes do Nascimento, mais conhecido como Pelé,declarou que o brasileiro não sabe votar. Claro que a declaração do chamado "Rei do Futebol" causou certo alvoroço,afinal de contas, o que um jogador de futebol entende de política, eleições ou votos? Para muitos, nada. Para os poucos que entenderam o que ele quis dizer, muito.

Um exemplo cabal do quanto Pelé estava certo em dizer que o brasileiro não sabe votar é a atual realidade política que vivemos no Brasil, ou seja, escândalos,corrupção, desvio de verbas públicas, parlamentares presos, "mensalões", "sanguessugas", "dominós", CPI´S, dólares em cueca. Trocando em miúdos, usando um termo antigo,digamos da época de Getúlio Vargas – "este mar de lama" em que o país está atolado existe porque não sabemos votar.
  Tudo isso causa em nós, eleitores, uma espécie de tristeza eleitoral. Isso mesmo. Tristeza eleitoral por votarmos em um candidato que fez campanha para pedir nosso voto, nós acreditamos nele e no fim olha só que acontece – decepção, mas tão grande que acabamos por esquecer o nome, o número e até mesmo a cara do dito cujo. Tudo para ver se passa essa tal tristeza eleitoral.

Porém, não tem sido nada fácil. O que lemos nos jornais e sites, o que os telejornais noticiam e mostram serve apenas para aumentar a sensação de impotência diante de uma traição, trapaça, mentiras, enganações, fraudes, promessas eleitoreiras, tudo isso somado ao descaso, incompetência, a omissão daquele candidato que conseguiu nosso voto dizendo que tudo iria melhorar; que ele era o melhor e que nosso voto; na verdade voto de confiança não seria inútil. Mas o final desta história nós sabemos qual é – decepção.
  
O povo quer e precisa ficar feliz com seu voto. O povo quer acreditar, precisa acreditar. Basta acertar e votar num candidato que trabalhe, que faça jus aos votos que o elegeram. Esta é a cura para nossa tristeza eleitoral. Nós como eleitores queremos ser vacinados contra esse mal que causa tristeza e decepção – o político oportunista, que engana, que desvia dinheiro que poderia ser usado para melhorar a qualidade de vida do povo. Dinheiro que deveria ser usado para a saúde, segurança, educação, saneamento básico, entre tantos benefícios que o candidato promete na campanha, mas que logo que assume, esquece.

Acreditamos que exista a cura para esta tristeza eleitoral. Esta cura não acontecerá da noite para o dia. A cura precisa ser conquistada e quando tivermos consciência que possuímos o poder nas mãos, através do voto, para realizarmos as mudanças necessárias, aí então, essa tristeza eleitoral não faça mais parte de nossas vidas. O povo precisa desta alegria. Não é sonho, nem fantasia, muito menos uma utopia. O povo precisa de alguém verdadeiramente compromissado com ele e com suas necessidades, precisa de alguém que lute por ele, que queira mudanças, que faça a diferença com trabalho, vontade política, honestidade, ética – ingredientes para acabar com a tristeza eleitoral que abate o povo de Rondônia.
 
Murilo Bandeira Filho

Mais Sobre Opinião

CULPADO!   Por Reginaldo Trindade

CULPADO! Por Reginaldo Trindade

Porto Velho testemunhou, no final de 2017, um julgamento absolutamente singular.O dia foi a véspera da Proclamação da República. O palco, um dos cartõ

Que tal Lei dos Sexagenários e do Ventre Livre, para os cativos da  OAB? Por Vasco Vasconcelos

Que tal Lei dos Sexagenários e do Ventre Livre, para os cativos da OAB? Por Vasco Vasconcelos

“A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça em todo lugar”. Martin Luther KingSegundo o Egrégio Supremo Tribunal Federal – STF, “A escravidã

Desalento sufoca recuperação da economia

Desalento sufoca recuperação da economia

A repórter especial do Portal Vermelho Joana Rozowykwiat afirma em artigo que não e apenas a economia que necessita de recuperação, mas a 'esperança'

O impacto da dívida do extinto Beron - Marcelo Freire

O impacto da dívida do extinto Beron - Marcelo Freire

A dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia (Beron) ainda vai atormentar por um longo tempo os próximos cinco governadores de Rondônia. A proposta