Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Artigo: DINHEIRO JOGADO FORA


 
Moreira Mendes*

A preservação das florestas brasileiras continua sendo alvo de intenso debate dentro e fora do nosso País. A ordem é preservar a qualquer custo, manter a floresta intocada, mesmo que isso represente prejuízos para quem dela depende, como as comunidades tradicionais e a população em geral, sobretudo a da Região Amazônica. O que poucos sabem é que já existe, desde 1992, um fundo especialmente criado pelo grupo dos países mais ricos com o objetivo de financiar projetos de preservação das nossas florestas. Trata-se do PPG7 - Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, que já recebeu mais de 400 milhões de dólares em doações internacionais.

Trata-se de uma iniciativa louvável, “um modelo inovador de cooperação entre governos, sociedade civil e a comunidade internacional, caso emblemático de inserção da Amazônia num esforço de Governança Global”, como bem definiu o professor adjunto do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Pará (UFPA), Alberto Teixeira da Silva. Entretanto, o governo federal está distorcendo por inteiro os objetivos do PPG7. Porque recebe o dinheiro e, em vez de aplicá-lo corretamente financiando projetos de preservação ambiental, deforma o seu sentido, entregando valiosos recursos às famigeradas ONGs (Organizações Não Governamentais). Esse desvio foi confirmado pelo próprio Ministério do Meio Ambiente, em resposta a um requerimento que fiz, via plenário da Câmara dos Deputados, solicitando informações sobre o programa.

Como as respostas do governo foram evasivas, apresentei uma Proposta de Fiscalização e Controle na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara, e agora o Tribunal de Contas vai apurar o destino dos recursos financeiros e as razões pelas quais eles não foram aplicados onde deveriam. É preciso esclarecer ao Brasil e aos países doadores dos recursos o volume total de recursos recebidos pelo governo por meio do PPG7. É preciso prestar conta do dinheiro, dizer onde ele foi aplicado e que projetos foram financiados, os objetivos alcançados etc. E se houve desvios, que os responsáveis sejam identificados e rigorosamente punidos.

Em meados de 2008, o jornal Folha de S. Paulo publicou matéria denunciando o desvio de recursos financeiros do Programa de Proteção de Florestas Tropicais. De acordo com o jornal, o dinheiro foi entregue a ONGs que nada têm a ver com a administração pública e comprometem a finalidade do PPG7, algumas delas, inclusive, são acusadas de desvio de recursos públicos.

O mais inacreditável é que, ainda segundo a Folha de São Paulo, mais de 49 milhões de dólares restam de saldo, ou seja, não foram utilizados e sequer têm destinação definida. Não bastasse tudo isso, há outro absurdo: mais de 5 milhões de dólares foram devolvidos a seus doadores por falta de aplicação ‘no prazo previsto’.

Diante desses fatos, é impossível entender o que leva a tanto desperdício, e inaceitável continuarmos omisso, pois se trata de recursos públicos. O governo federal – e sobretudo o Ministério do Meio Ambiente - precisa ter no mínimo competência para cuidar de suas responsabilidades. Não há razão nem explicações que justifiquem esses desvios de finalidade. Com a palavra, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc!

*Moreira Mendes é deputado federal (PPS-RO).

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.