Porto Velho (RO) domingo, 19 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

A política da bunda


      Dr. Bumbum, Pati Bumbum e tantas bundas cheias de silicone ou de outras bombas – ou mesmo cheias de músculos –, o que isso importa ou revela desse país?

    Quem enche as bundas é uma pergunta. Porque faz isso é outra. E por aí vai. O país está uma caca? Certeza. É de hoje? Certamente que não. As bundas que matam hoje já existiam antes? Sempre.

    Então, por que temos tanto fetiche – masculino e feminino – por bundas? Sinceramente, não sei!

    Mas, sei que é um problema político. Trata-se de política porque, enquanto se enche a bunda de alguma porcaria qualquer que mata, a cabeça está vazia.

    Pelo que vejo nos noticiários oficiais e nas redes sociais, o ditado popular deveria ser alterado: “bunda cheia de silicone é a oficina do diabo”. É machista isso que escrevo? Sim.

    Mas, como tudo neste país, louco para ser descoberto por um psicanalista que use uma droga cavalar, nada é tão simples assim.

    Por que, culturalmente, os homens querem tantas bundas grandes? Por que as mulheres se matam para atendê-los neste desejo letal?

    Se soubesse a resposta estaria milionário.

    Como não sei, me contento em retratar o que me parece ser a política da bunda.

    E o que é a política da bunda?

    É a ausência de preocupação com outra parte do corpo humano que o ser considere relevante.

    Diria que, para mim, o cérebro é mais importante do que a bunda. Porém, sou minoria. Evidentemente.

    Alguns até diriam que essa conversa é brochante. Claro. É preciso explicar por quê?

    Não vou apelar dizendo que o resíduo que sai do cérebro é o desenho da Humanidade – bom e mal. Não é preciso comparar, não é mesmo?

    Em todo caso, não me parece à toa que, nesta fase tão reacionária da política nacional, com o fascismo sentado em cima de todos nós, as bundas ganhem tanta relevância.

    Penso, aliás, que há uma justaposição entre o fascismo e as bundas. Para ser gentil, diria que se o cérebro nos traz inquietação (boa e má), a bunda ajuda a relaxar – quando sentada.

    Se é chato pensar, usar o cérebro para um esforço maior – que não seja pensar em bundas –, obviamente, pensar em bundas é mais fácil porque descarta uma reflexão mais séria sobre a política.

    Também pode-se dizer que a política está tão ruim, que é melhor, mais agradável, pensar em bundas. Mas, ainda assim, é essa política (boa ou ruim) que ditará quem levará um pé na bunda (ou não).

    Por fim, quero dizer que foi muito fácil escrever isso, mas foi muito triste; especialmente, porque me lembrei que Rubem Braga tratou da Mão e da Luva. E eu aqui nessa flatulência moral do país.

    Também resisti o quanto pude ao simulacro, ao passatempo, aos trocadilhos. Há abundância, mas resisti. Por exemplo, não chamei nenhum fascista de bunda mole.

Mais Sobre Opinião

CULPADO!   Por Reginaldo Trindade

CULPADO! Por Reginaldo Trindade

Porto Velho testemunhou, no final de 2017, um julgamento absolutamente singular.O dia foi a véspera da Proclamação da República. O palco, um dos cartõ

Que tal Lei dos Sexagenários e do Ventre Livre, para os cativos da  OAB? Por Vasco Vasconcelos

Que tal Lei dos Sexagenários e do Ventre Livre, para os cativos da OAB? Por Vasco Vasconcelos

“A injustiça em qualquer lugar é uma ameaça à justiça em todo lugar”. Martin Luther KingSegundo o Egrégio Supremo Tribunal Federal – STF, “A escravidã

Desalento sufoca recuperação da economia

Desalento sufoca recuperação da economia

A repórter especial do Portal Vermelho Joana Rozowykwiat afirma em artigo que não e apenas a economia que necessita de recuperação, mas a 'esperança'

O impacto da dívida do extinto Beron - Marcelo Freire

O impacto da dívida do extinto Beron - Marcelo Freire

A dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia (Beron) ainda vai atormentar por um longo tempo os próximos cinco governadores de Rondônia. A proposta