Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

A pertença


Dom José Alberto Moura
Arcebispo de Montes Claros (MG)

 Em todas as instituições humanas há direitos e deveres, bem como exigências a serem cumpridas e usufruto de benesses. Quanto mais se ama a instituição mais se veste a camisa da mesma e se ajuda a consecução de sua missão. Quando o interesse for de apenas tirar vantagens da mesma, o sentido de pertença fica prejudicado, bem como a própria agremiação não é ajudada de modo abrangente.

Jesus faz a comparação da videira, cujos ramos dão frutos se estiverem bem ligados ao tronco. Caso contrário, seca e não produz nada de resultado positivo (Cf. João 15,1-8). Ele quis instituir não simplesmente uma religião a mais, conforme a praxe humana. Planejou uma grande família em que todos vivessem ligados a Ele e uns aos outros, em verdadeira fraternidade. Ele sabia que a participação em sua família seria realizada de modo diferenciado, conforme o ser, a história e a realidade de cada um. Mas todos devem estar dispostos a fazer e dar tudo de si pelo bem da mesma. Ele promete, então, sua ajuda. Dá a própria vida. A nossa, porém, depende de nós mesmos. Ele não faz em nosso lugar o que nos compete, porque nos valoriza, respeita nossa liberdade e recompensa nosso esforço. Ao pequeno sinal de nossa boa vontade Ele se achega e nos ajuda. É preciso que confiemos nele. Antes, Ele mesmo nos estimula com sua ajuda para correspondermos a seu amor.

Ninguém é dono da grande família de Jesus, a Igreja. Ela tem seus valores, orientações, exigências e suporte ou ajuda para todos. Possui variedade de funções e serviços ou ministérios. É preciso haver docilidade a seus ensinamentos e dons. Querer usá-la sem compromisso de ajudá-la a realizar sua missão é o mesmo que querer ganhar um jogo sem ajudar o time. Neste não há torcedores. Só quem entra em campo e ajuda o time ganha o jogo. Não vale querer isto ou aquilo da Igreja sem ajudá-la a superar seus limites e colaborar com sua missão de implantar o Reino de Deus, onde haja justiça, solidariedade, colaboração, promoção da ética e do bem comum, além da Liturgia e das práticas religiosas. Trata-se de se carregar a bateria espiritual para a missão acontecer, numa verdadeira ligação entre fé proclamada e vida desenvolvida com os valores do Evangelho. Isto deve  dar-se na família, na comunidade eclesial e na sociedade. Vai haver, então, a promoção da vida, da dignidade humana, da boa política e do uso da ciência, da cultura, da economia e da técnica para a promoção da cidadania para todos. A Igreja de Jesus é encarnada na história para transformá-la com a luz de Cristo. Muitos querem uma Igreja de Liturgia voltada para dentro de si e ponto final. A Igreja é para servir e ser luz para o mundo, como quer o Divino Mestre.

Há quem estranhe pessoas que viviam de modo contrário ao Evangelho e agora estão a seu favor. A santidade não é não ter defeitos. Mesmo tendo-os a pessoa se converte e faz todo esforço para superá-los. Assim aconteceu com a vida de muitos, que até foram canonizados como santos. Os exemplos são muitos. O de Paulo é protótipo. Logo após sua conversão a comunidade tinha medo dele, pois, perseguia os cristãos. De repente ele se apresentou como apóstolo e ensinava o caminho de Jesus (Cf. Atos 9,26-31). A missão de quem participa da Igreja de Jesus é a de anunciá-lo a todos, para que haja conversão e vida nova. Esta é demonstrada no modo de viver segundo o Evangelho. Leva a pessoa a amar a Igreja, ajudá-la na missão e fazer com que ela possa ser instrumento de promoção de vida plena para todos. A manifestação de pertença a ele se mostra em quem segue seus ditames e sua grande missão!

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.