Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

2017 ainda não acabou - Por Edson Lustosa


2017 ainda não acabou - Por  Edson Lustosa - Gente de Opinião

Edson Lustosa

Até porque faltam menos de três meses para acabar o prazo para filiação partidária dos que pretendem ser candidatos em 2018, parece que resolveram antecipar o final de 2017. Fala-se já nas eleições como se fosse tudo favas contadas. Mas não é bem assim. Muita água ainda vai rolar. Espera-se que por debaixo da ponte.

Já faz algum tempo que se tornou tradição quem decola na frente ser o último a pousar. Mas ainda assim há quem insista em festejar pesquisas que apontam o candidato de sua preferência como estando em primeiro lugar na preferência do eleitorado. E se o avião cair? Essa é uma pergunta que desde o acidente com Eduardo Campos não pode ser descartada.

No âmbito nacional, nem vale a pena comentar. Até agora só apareceram idiotas e sonsos. No âmbito estadual o quadro é exatamente o inverso: sonsos e idiotas. Onde é que vamos parar? Bem, achar que tudo isso vai parar por si só já é algo que exige uma boa dose de otimismo. E mais otimismo ainda é necessário para achar que vai parar bem.

Para não ficar apontando pessoas como sonsas ou idiotas, não convém falar de pré-candidatos. Falemos de pré-candidaturas, de partidos e coligações. Onde idiotas recebem o apoio de sonsos e sonsos recebem o apoio de idiotas. Basta passar os olhos sobre o noticiário para perceber que é nesse sentido que as forças políticas vêm se aglutinando.

Em que pese suas maiores cidades virem se consolidando social e economicamente como polos universitários, Rondônia se depara com fortes pretensões de candidatura (não confundir com fortes pré-candidaturas) que têm como traço maior o desprezo à escolaridade. É óbvio que alguma coisa está errada, mas a sonseira e a idiotice, quando se unem, não deixam espaço à mínima reflexão inteligente.

A Assembleia Legislativa, que em seus primórdios já foi reduto de agrônomos, médicos, advogados e professores, caminhou ao longo da história em rumo diametralmente oposto. Pior é pensar na possibilidade – ou deparar-se com a pretensão – de que o Poder Executivo seja contaminado mais uma vez por essa tendência neo-pós-apocalíptica.

Ainda bem que 2017 ainda não acabou.

Mais Sobre Opinião

Congresso brasileiro saqueia seu próprio país, diz geóloga da Petrobras

Congresso brasileiro saqueia seu próprio país, diz geóloga da Petrobras

Ana Patrícia Laier, geóloga da Petrobras há 18 anos, explica didaticamente o "caso" das áreas de cessão onerosa que a Petrobras adquiriu durante seu p

Cruzada moralista no Brasil - Por Professor Nazareno

De uns tempos para cá, muitos brasileiros estranhamente se viram envolvidos em uma cruzada moralista sem precedentes...

Quanto mais caro melho - Por Carlos Brickmann

Não é por falta de recursos que o Brasil deixará de eleger os melhores políticos que o dinheiro pode comprar. E, caro leitor, deixe de se queixar dos

 A volta das maritacas políticas do Centro-Oeste - Por Vasco Vasconcelos

A volta das maritacas políticas do Centro-Oeste - Por Vasco Vasconcelos

A grande maioria das raposas políticas ancoradas na Capital da República, ao contrário dos pensadores e homens públicos de primeira linha aqui reside