Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Municípios

Simpi: Guajará-Mirim quer sair da estagnação



O segundo maior e mais antigo município de Rondônia, Guajará-Mirim, na fronteira com a Bolívia, completa 82 anos neste domingo com a economia praticamente estagnada, segundo o prefeito, Atalíbio Pegorini. A ‘Pérola do Mamoré’ paga um preço caro para fazer o papel de grande reserva florestal do Estado. Como 93% da área territorial é ocupado por unidades de conservação e terras indígenas, praticamente não há espaço para agricultura e pecuária e o poder produtivo,Simpi: Guajará-Mirim quer sair da estagnação  - Gente de Opinião com apoio da prefeitura, quer criar indústrias com os incentivos da Área de Livre Comércio (ALCGM) para gerar empregos. Uma das opções mais promissoras é a montagem de produtos de informática, mas para garantir os benefícios da ALCGM há a necessidade de mudar a legislação. “As atribuições das ALCs variam em cada Estado e na de Guajará-Mirim, especificamente estão vetados os benefícios para o setor de informática”, lamenta o prefeito.

A saída para o impasse é que se faça uma revisão da lei das ALCs para que todas elas tenham as mesmas atribuições, sem vetos como este que impede os incentivos da ALC para a comercialização de produtos de informática em Guajará-Mirim, de acordo com o prefeito Atalíbio Pegorini.

Para um dos diretores da Associação Comercial, Industrial e de Serviços do município, Cícero Noronha, a industrialização e comercialização de produtos de informática representam um grande filão para Guajará-Mirim. Segundo dados da Federação do Comércio de Rondônia (Fecomércio), a venda destes produtos movimenta R$ 750 milhões por ano – o que equivale a 6% do PIB do Estado. Além disso, a montagem de computadores não exige investimentos pesados e, portanto, pode ser uma opção de renda para pequenos empresários. Por fim, a fabricação dos produtos daria um impulso ao comércio local, o qual representa uma das poucas opções de emprego do lugar, e enfrenta a concorrência forte de Guayareamerin, na Bolívia, para onde se desloca grande parte dos turistas que visitam Guajará, justamente para comprar eletroeletrônicos.

“Não é justo que com todas estas vantagens, o município perca a oportunidade de utilizar os benefícios da ALCGM simplesmente porque o mesmo não consta dos seus estatutos”, diz o prefeito.

Os empresários de Guajará-Mirim e a prefeitura contam com o apoio do setor produtivo de Rondônia para derrubar o veto de comercialização de produtos de informática em Guajará. O empresariado está unido em torno de ações que propiciem o crescimento sustentado do estado, com atuação conjunta de federações da micro e pequena empresa, do comércio, da indústria, agricultura e pecuária do Estado, na defesa do desenvolvimento da economia local. “O setor produtivo de Rondônia está disposto a apoiar esta e outras medidas que sejam necessárias para tirar Guajará-Mirim da estagnação econômica, dando condições de trabalho para os empresários locais, que assim poderão gerar os empregos tão esperados e necessários no município”, explica o presidente do Sindicato da Micro e Pequena Industria - Simpi e do Conselho Deliberativo do Sebrae, Leonardo Sobral.
 

Município verde

Com 93% do seu território ocupado por unidades de preservação e terras indígenas, o município está impedido de praticar a agricultura e a pecuária. “Detentora do título ‘Município Verde’, outorgado em maio de 2009 pelo Instituto Ambiental Biosfera para 30 municípios brasileiros que se destacam pela contribuição dada à preservação ambiental, Guajará precisa de uma contrapartida para poder crescer”, diz o prefeito. Ele lembra o caso do Estado do Amazonas, em que os benefícios concedidos pela ALC possibilitam a fabricação de produtos eletrônicos, gerando emprego e permitindo a conservação da floresta.

Além do comércio, Guajará-Mirim não conta com outra fonte de renda. A falta de opções de emprego inchou a folha da prefeitura, a qual consome a maior parte dos parcos recursos do órgão. Em 2010, a prefeitura arrecadou R$ 40 milhões. O atendimento à saúde também diminui as condições de investimentos. O hospital municipal de Guajará, que tem 41 mil habitantes, atendeu 174 mil pessoas em 2010. “É como se cada um dos moradores tivesse ido quatro vezes ao hospital durante o ano”, compara Pegorini. Além dos munícipes, a unidade também atende pacientes de Nova Mamoré, Costa Marques e de municípios bolivianos.

Conhecida como a ‘Pérola do Guaporé’, Guajará-Mrim nasceu no ponto final da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, a 365 quilômetros de Porto Velho. Além da trajetória histórica, a região é detentora de grande beleza e tem uma cultura arraigada, cuja maior demonstração é o Festival Folclórico Duelo da Fronteira, que atrai um grande número de visitantes. O grande potencial turístico do município esbarra na falta de investimentos no setor.

Fonte: Ana Aranda DRT/RO016

Mais Sobre Municípios

Complexo Beira Rio será sede da Prefeitura de Cacoal

Complexo Beira Rio será sede da Prefeitura de Cacoal

Visando por fim na antiga prefeitura no Centro de Cacoal, a atual administração está alterando a finalidade do Complexo Beiro Rio e levará, até o fi

Porto Velho avança para a última fase do Plano Municipal de Enfrentamento à pandemia

Porto Velho avança para a última fase do Plano Municipal de Enfrentamento à pandemia

O avanço na aplicação das vacinas, a redução do número de internações e de novos casos da covid-19, fizeram com que Porto Velho avançasse da Fase Amar

SEMED compra milhares de frascos de álcool e armazena em local inadequado em Porto Velho

SEMED compra milhares de frascos de álcool e armazena em local inadequado em Porto Velho

O vereador Everaldo Fogaça (Republicanos) flagrou o que pode ser um polêmico caso de desperdício de dinheiro público pela Prefeitura de Porto Velho: