Porto Velho (RO) sábado, 23 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Municípios

Microempresa de Ji-Paraná (RO) firma TAC para fornecer EPI a seus empregados



Termo obriga, ainda, ao cumprimento de diversas outras normas regulamentadoras e direitos trabalhistas

A microempresa Jipa Indústria e Comércio de Plásticos Ltda., com sede em Ji-Paraná/RO, firmou compromisso perante o Ministério Público do Trabalho, representado pela Procuradora Vanessa Patriota da Fonseca, do Ofício da Procuradoria Regional do Trabalho da 14ª Região no Município de Ji-Paraná, através do qual assumiu a obrigação de fornecer, imediatamente, EPI - equipamentos de proteção individual (botas, luvas, máscaras, aventais etc) de acordo com as atividades exercidas por seus empregados, bem como orientar, fiscalizar e cobrar o uso de tais equipamentos de proteção individual, conforme determina normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego .

Conforme o TAC, a Jipa Indústria e Comércio de Plásticos Ltda-me terá ainda de elaborar, implementar e coordenar, de forma adequada, o PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, para o ano em curso, no prazo de 20 dias; implementar e coordenar, de forma adequada, o PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, em igual prazo; conscientizar os trabalhadores dos riscos a que estão submetidos e treiná-los quando houver mudança de função.

Foi dado prazo de vinte dias para que a empresa realize e apresente atestados de saúde ocupacional dos empregados (admissional, periódico, mudança de função, retorno ao trabalho e/ou demissional); atestados de vacinas antitetânicas e de tuberculose, e solicitar exames complementares que se fizerem necessários de acordo com as queixas dos empregados; elaborar laudo técnico pericial para delimitar as áreas insalubres ou/ e perigosas enquadrando as atividades em consonância com a legislação específica.

Outras obrigações assumidas: manter no estabelecimento materiais necessários à prestação de primeiros socorros, considerando-se as características da atividade desenvolvida e manter esse material guardado em local adequado e aos cuidados de pessoa treinada para esse fim; manter extintores de incêndio em local de fácil acesso, com carga atualizada e pessoas treinadas para o uso destes equipamentos e instalações sanitárias higienizadas, fornecer papel higiênico e lixeira com tampa;  fornecer água potável a seus empregados e proibir o uso de copos coletivos. Adotar providências no sentido de proteger as fiações expostas, disjuntores/chaves e sistemas de transmissões;

Em 60 dias a Jipa terá de instalar campânulas com sistemas de exaustores e filtros nas máquinas extrusoras para eliminar fumaças e vapores; instalar exaustores com filtros nas máquinas aglutinadoras/picadeiras; providenciar melhorias nos sistemas de ventilação no Setor de Matéria Prima e Indústria; instalar bancadas separadoras de matéria prima e bancos para os trabalhadores, nos termos orientado pelo Auditor-Fiscal do Trabalho.

Outra providência a ser adotada pela microempresa é a abertura de janelas nas paredes laterais do galpão para permitir ventilação natural, bem como: construir  instalações sanitárias, separadas por sexo, com chuveiros, vestiários e armários individuais; e também apresentar Plano de Controle Ambiental e Licenciamento Ambiental emitidos pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Ambiental - SEDAM e Relatório de Inspeção emitido pela Vigilância Sanitária.

Os empregados que se encontram sem registro devem ter os registros efetuados e assinadas as suas carteiras de trabalho - CTPS com a data em que iniciaram suas atividades na empresa.

A microempresa deve cumprir o que dispõe a CLT referente a assinatura das carteiras bem como efetuar o recolhimento do FGTS que se encontra, até então em atraso, inclusive os valores decorrentes do registro com data retroativa à contratação dos empregados  e informar  ao MPT -  Ministério Público do Trabalho a decisão acerca da continuidade das atividades da empresa, ainda que em outro local e com alterações sociais porventura existentes.

Multa

As partes convencionaram que o descumprimento do Termo de compromisso (TAC) sujeitará a microempresa e seu proprietário, solidariamente, à multa fixa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) por cláusula descumprida, acrescida de R$ 500,00 (quinhentos reais) por trabalhador prejudicado, reversível ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), atualizável pelos índices de correção dos débitos trabalhistas, multa a ser executada perante a Justiça do Trabalho, conforme disposto no artigo 876 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.

Ascom-PRT 14ª Região

Mais Sobre Municípios

Busca ativa é realizada para solucionar pendências de documentação à regularização de imóveis nos bairros Calama e Paraíso em Porto Velho

Busca ativa é realizada para solucionar pendências de documentação à regularização de imóveis nos bairros Calama e Paraíso em Porto Velho

A Prefeitura de Porto Velho encerra nesta sexta-feira (22), às 13h, uma ação de regularização dos imóveis localizados nos bairros Calama e Paraíso. O

Hildon Chaves defende a importância de projetos de sustentabilidade na Amazônia

Hildon Chaves defende a importância de projetos de sustentabilidade na Amazônia

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, participou na quinta-feira (21) da 300ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração (CAS) da Superintendê

Complexo Beira Rio será sede da Prefeitura de Cacoal

Complexo Beira Rio será sede da Prefeitura de Cacoal

Visando por fim na antiga prefeitura no Centro de Cacoal, a atual administração está alterando a finalidade do Complexo Beiro Rio e levará, até o fi

Porto Velho avança para a última fase do Plano Municipal de Enfrentamento à pandemia

Porto Velho avança para a última fase do Plano Municipal de Enfrentamento à pandemia

O avanço na aplicação das vacinas, a redução do número de internações e de novos casos da covid-19, fizeram com que Porto Velho avançasse da Fase Amar