Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Municípios

Estado cadastra doadores de medula óssea em Vilhena


 
Com a finalidade de identificar e qualificar possíveis doadores de medula óssea para serem cadastrados no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), teve início nesta semana, no Hemocentro de Vilhena, o serviço de coleta de sangue para a análise de doadores.

Após receber uma solicitação do presidente do Diretório Acadêmico da Universidade Federal de Rondônia (UNIR/Vilhena), Paulo Mendes, que chamou a atenção para a necessidade de um ponto de coleta permanente no município, o governador Confúcio Moura determinou a reestruturação do Hemocentro e implantação do serviço. “Os voluntários que queriam doar tinham que se deslocar até Porto Velho e bancar todas as despesas, isso acabava desestimulando os doadores”, explicou Mendes.

O transplante de medula óssea é a única esperança de cura para muitos portadores de leucemias e de algumas doenças do sangue. Para realizar o serviço de coleta, três profissionais do Hemocentro foram capacitados e mais de 30 receberam instruções sobre o novo procedimento, que vai desde a recepção dos doadores até o armazenamento correto e envio do sangue para a capital.

A coleta de material para exames de compatibilidade é simples. Na primeira etapa os doadores preenchem uma ficha cadastral, em seguida são encaminhados para a coleta do material, que consiste na retirada através da veia uma pequena quantidade de sangue (5ml).

O material coletado é enviado para Porto Velho e posteriormente segue para Goiânia (GO), onde são feitos os exames. O sangue é ‘tipado’ por análise de histocompatibilidade, o resultado sai em quinze dias, sendo possível saber quem são os possíveis doadores, que passarão por novos exames até chegar à doação da medula.
 

Diferença entre a vida e a morte

O teste identifica as características genéticas que podem influenciar no transplante. Com o resultado das análises, o doador é cadastrado nacionalmente. A partir daí, quando um paciente necessita de transplante, o cadastro é consultado. Se for encontrado um doador compatível, ele será convidado a fazer a doação no estado onde o receptor estiver. Todas as despesas de locomoção são pagas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“Nossa equipe de profissionais e estrutura física estão preparadas para receber os doadores. Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos, com boa saúde, poderá doar Medula Óssea. Para o doador, o ato será apenas um incômodo passageiro, mas para o doente, será a diferença entre a vida e a morte”, destacou a assistente social Michely Toledo.
 

Conscientização

Campanhas de conscientização devem ser realizadas no município para chamar a atenção da população para este gesto capaz de salvar vidas. As campanhas serão realizadas com o intuito de garantir a continuidade do serviço e conseguir cada vez mais doadores. “O serviço é um grande avanço em nosso município e deve ser implantado de forma responsável. Nossa equipe está mobilizada para atender a demanda e cumprir nossa meta. O Hemocentro está a disposição da Fhemeron, para juntos conseguirmos salvar mais vidas”, disse o diretor clínico do Hemocentro Edvaldo Freitas
 

Como doar

As pessoas que quiserem doar sangue para entrar no REDOME, podem entrar em contato com o Hemocentro pelo telefone 3322-2400 e agendar a coleta. O horário de funcionamento é das 7 às 19 horas. O Hemocentro está localizado na avenida Josato, ao lado do Hospital Regional.

Fonte: Decom /
 Cristiane Cruz
 

Mais Sobre Municípios

Comunicado Semtran - Avenida Campos Sales terá seu sentido de circulação alterado

Comunicado Semtran - Avenida Campos Sales terá seu sentido de circulação alterado

A Prefeitura de Porto Velho, através da Secretaria Municipal de Trânsito, Mobilidade e Transportes – SEMTRAN, comunica à população que a avenida Cam

Semusa promove ações de valorização da vida para profissionais de saúde

Semusa promove ações de valorização da vida para profissionais de saúde

Setembro é o mês de intensificação das ações de prevenção ao suicídio através da campanha Setembro Amarelo. Em um ano de pandemia, com o isolamento