Porto Velho (RO) quinta-feira, 11 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

YPF Gás também será nacionalizada


Monica Yanakiew
EBC na Argentina
Agência Brasil

Buenos Aires - O governo argentino anunciou ontem (18), que a nacionalização da petroleira Repsol-YPF atingirá também a YPF Gás, controlada pela Repsol da Espanha. A desapropriação deve ser aprovada, pelo Senado argentino, na próxima quarta-feira (25).

O projeto de lei da presidenta Cristina Kirchner, desapropriando 51% das ações da Repsol-YPF foi enviado ao Congresso, na segunda-feira (16), e hoje passou pelas comissões de Assuntos Constitucionais, de Orçamento e de Mineração; e de Energia e Combustíveis do Senado, depois de dois dias de acalorados debates.

O governo culpou a Repsol pela crise energética do país. A empresa é a maior acionista da YPF (Yacimentos Petroliferos Fiscales) - a estatal argentina de petróleo, privatizada nos anos 1990, responsável pela exploração de 30% do petróleo e um terço do gás natural do país.

Especialistas ouvidos pelos senadores concordam que a crise energética é séria. Até 2010, a Argentina tinha um superávit de US$1,5 bilhão na sua balança comercial energética. No ano passado, registrou um déficit de US$3,7 bilhões. E, este ano, deve gastar US$ 12 bilhões para importar petróleo e gás, que poderiam ser produzidos no país.

Dois ex-secretários de Energia – Jorge Lapena e Daniel Montamat – disseram aos senadores que o país precisa de uma politica energética de longo prazo. Sem regras claras, ninguém irá investir e o Estado argentino não tem recursos suficientes para investir na exploração de novas reservas de energia.

Montamat citou, como exemplo, o congelamento dos preços da energia, determinada pelo governo argentino, depois da crise de 2001. “É politicamente incorreto falar em preços, mas eles influem”, disse. “Pretendemos que a YPF produza um BTU [unidade térmica britânica] de gás a US$ 2,70, quando importamos a mesma quantidade da Bolívia por US$ 12, ou trazemos de barco de outros países por US$ 18”, completou.

Segundo ele, dificilmente um empresário investirá em um empreendimento desses – a não ser que exista alguma política de Estado, que leve em conta a diferença de preços. “E o Estado vai precisar se associar a empresas privadas para explorar e produzir combustível. Não pode tomar decisões a curto prazo, baseadas em necessidades politicas”, declarou Montamat.

O consultor Walter Chebli disse que a Repsol não foi a única que diminuiu sua produção na Argentina. Outras empresas fizeram o mesmo, citando como exemplo a Petrobras (ao comprar uma empresa argentina), a Chevron e a Total, que acaba de anunciar que quer investir mais na Argentina.

Depois de dois dias de debates, no Senado, ainda restam muitas dúvidas. Qual o valor das ações expropriadas? A Repsol quer no mínimo US$ 10 bilhões – cifra que o governo argentino descarta. E as ações da YPF sofreram quedas de 24% na Bolsa de Buenos Aires e 28% no mercado internacional.
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe