Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Viúva acusada de infidelidade no Irã corre risco de ser condenada à morte


Renata Giraldi
Agência Brasil

Brasília – Acusada de infidelidade e assassinato, a viúva iraniana Sakineh Mohammad Ashtiani, de 42 anos, ainda corre o risco de ser condenada à morte. A informação é do presidente da Comissão de Direitos Humanos na Câmara dos Deputados do Irã, Mohammad Javad Abtahi, que passou os últimos dias em visita oficial a Brasília. Javad Abtahi disse à Agência Brasil que está descartada a execução por apedrejamento.

“A sentença final ainda não foi proferida. O caso está sendo analisado na Corte Suprema do Irã. Aguardamos uma definição. Mas ela [Sakineh] é responsável por dois crimes graves, de infidelidade e assassinato. No caso do assassinato, há possibilidade de pena capital [sentença de morte]”, disse o deputado iraniano. “Mas não há mais a lei de apedrejamento em nosso país.”

O deputado iraniano não informou quando deverá ser proferida a sentença. A viúva é mantida presa no Irã. Javad Abtahi negou que no país ocorra violação de direitos humanos e disse que antes da Revolução Islâmica pelo menos 16 mil civis foram mortos no Irã em decorrência de atrocidades cometidas pelos antigos governos.

No ano passado, o caso de Sakineh virou tema de discussão política e até das campanhas dos candidatos à Presidência da República. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a sugerir o envio da viúva para o Brasil. Mas a sugestão não foi considerada pelo governo do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.

Em fevereiro, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, apelou para que a comunidade internacional passe a observar as violações em quaisquer países. Segundo ele, é necessário buscar uma “abordagem mais equilibrada”. De acordo com o chanceler, casos como os de penas de morte e apedrejamento, além da questão da tortura, preocupam o Brasil.

O caso de Sakineh se transformou em uma espécie de símbolo, mas os iranianos negam que a viúva seja inocente. A posição do governo do Brasil, em defesa do fim da punição da pena de morte e apedrejamento, causou, no fim do ano passado, mal-estar nas relações com o Irã.

No entanto, Patriota rebateu a possibilidade de estremecimento ou mudança nos esforços de apoiar a aproximação do Irã com a comunidade internacional.

VOCÊ PODE GOSTAR

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe