Porto Velho (RO) sábado, 28 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Venezuela pede ajuda à Unasul para dialogar com os EUA



Da Agência Lusa

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu hoje (4) à União de Nações Sul-Americanas (Unasul) que promova um diálogo diplomático com os Estados Unidos, dois dias depois de Washington anunciar sanções contra funcionários públicos venezuelanos e seus parentes.

"Falei com o secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper. Solicitei-lhe oficialmente que assuma uma iniciativa diplomática para evitar que os Estados Unidos continuem rumo a um beco sem saída, para procurar um mecanismo de diálogo com o governo norte-americano e construir uma diplomacia de paz, de diálogo, de entendimento", disse.

O pedido foi anunciado durante o programa Em Contato com Maduro, transmitido pela televisão estatal venezuelana.

Nicolás Maduro destacou que a iniciativa tem como propósito "deter a agressão contra a Venezuela" e disse que manterá contato com a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos para unir os dois organismos na defesa da paz, do direito da Venezuela "à independência, à soberania, para deter os planos golpistas".

Informou que entregará provas de conspirações, envolvendo banqueiros fugitivos da Justiça venezuelana, radicados em Miami, nos Estados Unidos, para combater o seu governo e dividir as Forças Armadas venezuelanas.

Por outro lado, o presidente acusou as agências internacionais de notícias de ocultar as tentativas de diálogo entre Caracas e o governo do presidente Barack Obama e "a sua intenção de, no melhor espírito da democracia chavista de paz, por meio do diálogo e da conversação, evitar danos maiores contra a pátria.

Os Estados Unidos anunciaram, segunda-feira (2), novas sanções (suspensão de vistos) contra antigos e atuais funcionários do governo venezuelano,considerados "responsáveis ou cúmplices" por violações dos direitos humanos.

"Enviamos uma mensagem muito clara de que os violadores de direitos humanos, os que se beneficiam da corrupção e suas famílias não são bem-vindos aos Estados Unidos", anunciou a porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki.

Segundo ela, "ao ignorar os repetidos apelos a uma mudança, o governo venezuelano tem continuado a demonstrar falta de respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais".

Washington acusa Caracas de tentar "sufocar a dissidência", reprimindo manifestantes que protestam pela deterioração da situação política, econômica e de segurança no país.

Em julho, o governo dos EUA já tinha imposto restrições na concessão de vistos a 24 dirigentes venezuelanos, que estariam envolvidos em violações de direitos humanos e na repressão de protestos de grupos opositores a Maduro.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia