Porto Velho (RO) sábado, 4 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Usina Nuclear de Fukushima tem nível mais elevado radiação



Da Telam

Agência Brasil, Brasília – A Tokyo Electric Power Company (Tepco), que administra a Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, no Nordeste do Japão, identificou hoje (2) o nível mais alto de radiação dos últimos quatro meses. A medição ocorre desde o terremoto seguido de tsunami que atingiu o país em 11 de março, causando vazamentos e explosões na usina.

Os níveis de radiação foram encontrados nos tubos de ligação do reator 1 com o 2. De acordo com o Ministério da Ciência do Japão, se uma pessoa é exposta a um nível elevado de radiação pode morrer em menos de 48 horas.

Como resultado das medições, a Tepco limitou o acesso às áreas nas quais houve a identificação das radiações. A empresa informou que os funcionários da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi não são submetidos aos elevados níveis de radioatividade.

Desde os acidentes nucleares no Japão, em março, as autoridades do país esvaziaram as cidades próximas à usina, proibiram o consumo dos produtos da região, assim como da água. As crianças e adolescentes passaram a usar medidores de radiação que são analisados com frequência.

 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia