Porto Velho (RO) sábado, 4 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Ucrânia: EUA saúdam libertação de observadores


*Da Agência Brasil

O chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, saudou hoje (3) a libertação dos observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (Osce) na Ucrânia, mas pediu à Rússia que deixe de apoiar os separatistas, em um telefonema ao chanceler Serguei Lavrov. Os sete observadores foram sequestrados há uma semana pelas forças pró-russas da cidade de Slaviansk.

Em Moscou, o Ministério dos Negócios Estrangeiros divulgou comunicado sobre a conversa telefônica, destacando que Lavrov pediu a Kerry para pressionar as autoridades ucranianas a suspenderem a operação militar no Leste do país.

“Os Estados Unidos devem utilizar toda a sua influência para obrigar o regime de Kiev, que protege e que declarou guerra ao seu próprio povo, que suspenda imediatamente as operações militares no Sudeste, retire as tropas e liberte os manifestantes”, diz o comunicado russo.

Ao chegar ao Congo, para visita oficial, John Kerry destacou que é importante que a Rússia retire o apoio aos separatistas do Leste da Ucrânia e contribua para “reduzir a tensão” na região.

*Com informações da Agência Lusa

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia