Porto Velho (RO) terça-feira, 7 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Ucrânia adia adesão à União Europeia e população vai às ruas


Da Agência Brasil*

Brasília - A oposição ucraniana mantém hoje (26), pelo terceiro dia consecutivo, uma concentração por tempo indeterminado na Praça Europa, na capital do país, Kiev, em protesto contra a decisão do governo de renunciar à assinatura do Acordo de Associação à União Europeia (UE). Na semana passada, o governo ucraniano decidiu inesperadamente renunciar à assinatura da adesão da Ucrânia ao bloco, o que vem sendo criticado pela oposição como resultado da pressão da Rússia, que chegou a advertir o país sobre as consequências comerciais de um acordo com a UE.

Na noite de ontem (25), forças antimotim usaram gás lacrimogêneo contra um grupo de manifestantes que atacou um veículo de segurança no local. A ação foi reivindicada pelo líder do Partido Nacionalista Sovoboda (Liberdade), Oleg Tiagnibok. Segundo ele, o veículo atacado, estacionado na praça, estava fazendo escutas ilegais.

“Conseguimos retirar do veículo várias malas e alguns computadores. Quando abrimos, descobrimos equipamento de escuta, antenas para interceptar sinais de rádio e vários conjuntos de matrículas de carro”, disse Tiagnibok, ao informar que o equipamento será apresentado à imprensa hoje.

Depois do incidente, as forças especiais da polícia retiraram o veículo do local, onde centenas de defensores da integração da Ucrânia à União Europeia passaram a noite. Yulia Timoshenko, ex-chefe do governo e líder da oposição, que está internada em um hospital devido a uma greve de fome por tempo indeterminado, se solidarizou com o movimento.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Leonid Kozhar, informou ontem que o presidente Víctor Yanukóvich não irá assinar o acordo com o bloco na cúpula europeia, em Vilnius, na Lituânia. De acordo com Kozhar, o acordo não será anulado, mas adiado.

Ontem, a União Europeia, por meio de comunicado dos presidentes da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, e do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, informou que se mantém disposta a fechar o acordo com a Ucrânia. De acordo com o bloco, a oferta de associação à UE persiste, mas é necessária a vontade política dos líderes ucranianos.

Na nota, Durão Barroso e Van Rompuy condenaram a atuação da Rússia em relação a uma possível adesão da Ucrânia ao bloco europeu e defenderam as recentes manifestações da população em prol da adesão ucraniana. Segundo eles, os cidadãos "compreendem e defendem o caráter histórico da associação europeia”.

* Com informações da Agência Lusa

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia