Porto Velho (RO) segunda-feira, 15 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Três dias após terremoto, haitianos estão sem comida e sem água


 
Luciana Lima 
Agência Brasil 

Porto Príncipe (Haiti) - Depois de três dias do terremoto que destruiu a capital do Haiti, a ajuda humanitária começou a chegar a Porto Príncipe. A população, entretanto, ainda vaga pelas ruas em busca de comida e água. Há centenas de corpos acumulados pelas calçadas e à medida que o tempo passa vozes de sobreviventes sob escombros começam a calar.

Aglomerações se formam nos lugares com a possibilidade de encontrar algo para beber. Diante da quase inexistência dos serviços públicos, da ainda insuficiente ajuda de outros países e da demora em conseguir alimento, as autoridades temem que as pessoas se revoltem e iniciem uma onda de violência.

Essa preocupação foi expressada ontem (14) pelo próprio presidente haitiano, Reneé Préval, em reunião com o ministro da Defesa brasileiro, Nelson Jobim, que coordenou a missão que veio ao país identificar as necessidades mais urgentes de ajuda. Entre os pontos acertados com a missão brasileira, está o envio de equipamentos e munição não letal para conter a multidão em caso de revolta.

O presidente haitiano também se comprometeu a indicar um local para que o Brasil possa iniciar o trabalho de sepultamento dos corpos, muitos ainda sob escombros. Passadas mais de 48 horas, os corpos já começam a entrar em decomposição, há muita poeira e moscas e o risco de epidemias é iminente.

Pela cidade, nas áreas descampadas e nas praças, as pessoas se concentram com medo de um novo terremoto. Tremores de pequena intensidade são sentidos a todo momento o que aumenta a sensação de medo.

Hoje, o governo brasileiro começa a montar o hospital de campanha em uma área próxima à Base Charlie com capacidade para atender de 300 a 400 pessoas por dia além de 20 leitos para pessoas em estado grave.

O governo brasileiro também acertou o envio de barracas para que as pessoas possam se abrigar. Muitas perderam as casas, outras não, mas não acham seguro voltar. Preferem improvisar tendas, utilizando principalmente lençóis. O presidente René Préval acertou ontem com o ministro da Defesa a dispensa do passaporte para os 60 profissionais de saúde que vão trabalhar no hospital.

Desde a última terça-feira (12), quando ocorreu o terremoto que atingiu sete graus de magnitude, o serviço de comunicação não funciona. Há desabastecimento de gasolina já que um dos reservatórios da cidade foi atingido pelo terremoto. O governo da República Dominicana, país vizinho ao Haiti, se comprometeu a ajudar com o envio de combustível. O aeroporto de Porto Príncipe permanece fechado.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe