Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Roubo de petróleo é a principal fonte de receitas do Estado Islâmico na Síria


 
Da Sputnik

O vice-ministro da Defesa russo, Anatoly Antonov, declarou que o desvio de petróleo na Síria é a principal fonte de receitas dos grupos terroristas ativos no país. Ele fez a respectiva declaração, no canal de TV Rossiya 24, na véspera da Conferência Internacional sobre Segurança, marcada em Moscou entre 26 e 28 de abril.

"Após o forte golpe assestado contra os terroristas na Síria, foram destruídos armazéns de armas, pessoal e estruturas militares, foi minada a sua estrutura econômica. É claro para todos que onde primeiramente eles obtêm dinheiro é com o roubo do petróleo sírio", disse.

De acordo com os dados do Ministério da Defesa russo divulgados mais cedo, o Estado Islâmico obtém anualmente cerca de 2 bilhões de dólares com a venda de petróleo a partir dos territórios ocupados na Síria, sendo esses fundos usados na contratação de militantes de todo o mundo e na compra de armas.

Atualmente, no país está em vigor o cessar-fogo, apoiado por Damasco bem como pela maioria dos grupos da oposição. O Estado Islâmico e a Frente Al Nusra (grupos terroristas proibidos na Rússia) não aceitaram o acordo.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia