Porto Velho (RO) segunda-feira, 15 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Relação entre Brasil e França pouco muda com a eleição


Agência O Globo PARIS - Qualquer que seja o candidato eleito neste domingo para a Presidência da França, a socialista Ségolène Royal ou o direitista Nicolas Sarkozy, não haverá grandes mudanças na política externa francesa em relação ao Brasil. O futuro ocupante do Palácio do Eliseu confirmará tanto o apoio à entrada do país no Conselho de Segurança das Nações Unidas, como resistirá à abertura do mercado agrícola europeu, avaliam analistas em Paris. Na verdade, a América Latina em geral e o Brasil em particular não foram mencionados na campanha eleitoral. O que não é de estranhar, porque as questões de política externa - com a exceção do futuro da Constituição européia e a adesão da Turquia è União Européia (UE) - foram praticamente ignoradas na campanha. Além da Europa, as relações com os Estados Unidos e a Rússia, o Oriente Médio, a Ásia e a África sempre aparecem mais importantes que a América Latina, constata Alfredo Valladão, professor do Instituto de Estudos Políticos de Paris. No caso de vitória de Sarkozy, a política externa francesa vai estar mais preocupada com as relações inter-européias e transatlânticas (com os EUA). Outra prioridade será a questão da emigração e, portanto, a relação com os países do Mediterrâneo. O Oriente Médio, e particularmente o problema do nuclear do Irã, também estarão no centro da agenda. Se Royal vencer, as prioridades externas serão mais ou menos as mesmas, sempre com a Europa em primeiro lugar. Com relação aos EUA, espera-se dela uma atitude mais pragmática e não confrontante , inspirada na política de seu mentor, François Mitterand (presidente francês de 1981 a 1995). Ela já fez pronunciamentos mais hostis ao programa nuclear iraniano do que Sarkozy. Royal prioriza relações com a África (especialmente o o Magreb), não só para tratar da questão de emigração de maneira diferente do candidato conservador, como para agradar a ala terceiro-mundista , bastante forte dentro do Partido Socialista. O governo brasileiro está dividido. Há simpatia por Royal, pela proximidade com socialistas franceses. Mas, realisticamente, a relação sempre funcionou bem com a direita, com Jacques Chirac. Royal tem mais proximidade com o Brasil. Seu engajamento por uma democracia participativa é em parte inspirada na experiência do PT. Ela esteve em Porto Alegre numa das edições do Fórum Social Mundial, com seu companheiro, o secretário-geral da PS, François Hollande, e desde então reforçou a idéia de encorajar orçamentos participativos, por exemplo. Logo que foi confirmada como candidata do PS, seu plano era visitar Brasil e África do Sul, para indicar experiências novas na política, diz o professor Luis Felipe Alencastro, da Sorbonne. Por problema de agenda, em pleno mês de janeiro no Brasil, a socialista alterou o plano e partiu para a China, Líbano, Israel e Palestina, onde seus problemas de domínio na área externa começaram a ser explorados. Foi na posse de Michelle Bachelet, no Chile, que ela praticamente lançou sua candidatura à Presidência. Em almoço em Santiago com Bachelet e o presidente que saia, Ricardo Lagos, Royal explorou amplamente a experiência de centro-esquerda que deu estabilidade ao Chile nos últimos dez anos. É o que ela quer reproduzir na França, já que a esquerda não tem como governar sozinha. O PS francês sempre teve boa relação com o PT. Mas o grupo que dominava o partido até agora era da corrente do ex-primeiro-ministro Lionel Jospin, ex-trotskistas, que não cessavam de ir a São Paulo, até pela ligação com Marta Suplicy e seu marido, Luiz Favre. Agora, há mais que uma mudança de geração. Royal conseguiu ganhar a disputa interna no PS pela candidatura contra elefantes do partido. Sua vitória sela a derrota definitiva de Jospin, que apareceu isolado, ultrapassado e marginalizado. O PT continuará tendo seus contatos próximos com os socialistas. Só que nos próximos anos o PS francês vai estar totalmente voltado para o debate interno. O velho PS, com ideologia radical e próxima do Partido Comunista e dos trotskistas, está agonizando. Mas ainda está para surgir o próximo PS com uma prática social-democrata assumida e conseqüente. As dores do partido serão tão fortes que as relações com os ditos partidos irmãos passarão para o segundo plano, ainda mais se Ségolène for eleita , diz Valladão. Quanto a Sarkozy, observadores em Paris lembram de uma de suas poucas intervenções sobre América Latina, num congresso. O primeiro orador, o espanhol Mariano Rajoy, líder do Partido Popular (direita), fez um discurso vexatório, limitando-se a apontar práticas demagógicas e populistas na região. Sarkozy tratou de destacar o contrário, notando que a América Latina ajudava a reinventar a política, citando diretamente o Brasil. (Assis Moreira | Valor Econômico)

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe