Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de agosto de 2022
..
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Por ano, clima mata 315 mil no mundo todo



Dados divulgados ontem pelo Fórum Humanitário Global (FHG) mostram que 315 mil pessoas morrem a cada ano por problemas climáticos. As mortes ocorrem por desastres naturais, doenças e fome.Santa Catarina já viveu episódios do gênero. O mais recente foi em novembro do ano passado, quando alagamentos e deslizamentos de terra por causa de longo período de chuva causaram a morte de 135 pessoas e deixaram mais de 80 mil desabrigadas. A região mais atingida foi o Vale do Itajaí, sobretudo os municípios de Ilhota, Gaspar e Blumenau. O Estado, para citar outro caso, é o único do país atingido por furacão – a região Sul foi afetada. O estudo da FHG mostra que, até 2030, o número deve subir para 500 mil mortos anuais.

Mais: 325 milhões de pessoas, também anualmente, são afetadas seriamente pela mudança climática.Em termos financeiros, os prejuízos decorrentes do aquecimento global já superam US$ 125 bilhões (R$ 246,8 bilhões) por ano, podendo chegar a US$ 340 bilhões (R$ 671,3 bilhões) dentro de 20 anos.Impacto deve ser maior do que o relatório prevêO presidente da FHG, Kofi Annan, ex-secretário-geral da ONU, define, em nota, a mudança climática como "o maior dos novos desafios humanitários, causando sofrimento para centenas de milhões de pessoas no mundo todo". E explica:

– Os primeiros atingidos e os mais afetados são os grupos mais pobres do mundo, embora eles pouco tenham feito para causar o problema.Annan defendeu que a conferência climática de dezembro da ONU, em Copenhague, aprove um tratado eficaz, justo e compulsório para substituir o Protocolo de Kyoto.

– Copenhague precisa ser o acordo internacional mais ambicioso já negociado. A alternativa é a fome em massa, a migração em massa e a doença em massa – escreveu Annan na introdução do relatório.O estudo alerta, ainda, que o real impacto do aquecimento global deve ser muito mais grave do que o texto prevê, já que sua base são os cenários mais conservadores estabelecidos pela ONU.Novas pesquisas científicas apontam para uma mudança climática maior e mais rápida.O relatório pede especial atenção às 500 milhões de pessoas consideradas extremamente vulneráveis, por viverem em países pobres propensos a secas, inundações, tempestades, elevação do nível dos mares e desertificação.Dos 20 países mais vulneráveis, 15 ficam na África.

(Fonte: BBC)

VOCÊ PODE GOSTAR

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe