Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Para ONU, coca plantada na Amazônia indica necessidade de mais fiscalização


Marco Antônio Soalheiro
Agência Brasil


Brasília - Os dois hectares ocupados por pés de coca encontrados pelo Exército nas proximidades de Tabatinga (AM) representam pouco em relação à cocaína que passa pelo Brasil , mas sinalizam para a necessidade de se reforçar a fiscalização na região.

A avaliação foi feita hoje (17) pelo representante regional do Escritório das Nações Unidas Contra Drogas e Crimes (UNODC), Giovanni Quaglia, para quem as autoridades devem ser alertadas: até então, só se tinha notícia de plantações de coca na região para consumo próprio de indígenas.

"É uma chamada de atenção, uma novidade, mesmo que o cultivo seja em quantidade muito limitada. É sempre bom cuidar para que não cresça. O perigo sempre existe. Há áreas da Amazônia na Colômbia, na Bolívia e no Peru onde já se cultiva coca em altitudes baixas, de até 400 metros", afirmou, em entrevista à Agência Brasil.

Ele explicou que a coca produzida em regiões altas tem folha pequena e suave, mais usada para mastigação. Na região amazônica, a folha da planta seria muito grossa e dura, servindo exclusivamente à produção de cocaína.

Para dimensionar a representatividade dos pés da planta encontrados em Tabatinga, Quaglia lembrou que cerca de 40 toneladas de cocaína são consumidas por ano no Brasil: "Por cada hectare de coca cultivada produzem-se em torno de seis quilos de cocaína. Em se tratando de dois hectares, o máximo que os traficantes poderiam tirar seriam 12 quilos de cocaína."

Além das 40 toneladas para consumo interno, ainda passariam pelo Brasil com destino à Europa, via África, outras 40 toneladas de cocaína, estima a ONU. Quaglia disse considerar "humanamente impossível" controlar com eficiência uma fronteira tão extensa como a existente entre Brasil, Bolívia, Colômbia e Peru.

E a principal solução para coibir o tráfico, defendeu, não é o aumento do efetivo de segurança na região. "Não seria prático do ponto de vista operacional reforçar a fronteira com muitos homens. Dá mais resultado o trabalho de inteligência que as polícias fazem e podem melhorar, para desmantelar e prender esses grupos criminosos. Eles muitas vezes não estão na fronteira, mas nas grandes cidades", argumentou.

A ONU considera a existência de produção anual conjunta de cerca de mil toneladas de cocaína entre Colômbia, Bolívia e Peru. Do total, 400 toneladas seriam apreendidas pela polícia no mundo inteiro. Além do Brasil, outro país apontada pela entidade como rota de escoamento do produto para a Europa é a Venezuela. Já 80% da coca consumida nos Estados Unidos chegariam lá via México e países do Caribe.

As políticas de redução do consumo são apontadas por Quaglia com primordiais no combate ao tráfico de drogas: "Enquanto há um mercado consumidor que demanda os produtos, sempre haverá alguém disposto a produzir e traficar. Se queremos encontrar soluções definitivas, a melhor forma é reduzir a demanda de consumo de substâncias como cocaína e maconha."


 

VOCÊ PODE GOSTAR

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe