Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Organização denuncia 'despejo forçado' de milhares no Sinai



Da Agência Lusa

A organização Human Rights Watch (HRW) denunciou hoje (22) o “despejo forçado” de milhares de civis e a destruição de centenas de edifícios pelas autoridades egípcias para criar uma “zona segura” no norte da península do Sinai, na fronteira com Gaza.

Em relatório publicado nessa terça-feira, a organização de defesa de direitos humanos mostra que, entre julho de 2013 e agosto de 2015, o Exército egípcio demoliu 3.255 edifícios e desalojou milhares de moradores em uma área de 79 quilômetros quadrados, incluindo a localidade de Rafah, com 78 mil habitantes. Foram destruídos 685 hectares de cultivo, privando os agricultores do seu meio de subsistência.

No relatório À procura de outra pátria, a HRW destaca que muitas famílias do norte do Sinai ficaram sem casa e foram separadas, vivendo agora em tendas em espaços abertos ou acampamentos informais, ou foram obrigadas a se retirar para áreas mais distantes, como o o Delta do Nilo ou o Cairo. Tudo para, “presumivelmente, eliminar a ameaça dos túneis de contrabando” entre o território egípcio e Gaza, pelos quais é transportado todo tipo de produto, incluindo armamento, diz o documento. Para a HRW, a atuação do governo egípcio é “desproporcional”.

A organização norte-americana destacou que as autoridades egípcias não ofereceram provas de que, por meio desses túneis, os grupos radicais recebam armas e outro tipo de apoio.

A HRW assegurou que as retiradas começaram em julho de 2013, após o golpe militar que derrubou o então presidente Mohamed Morsi, e foram aceleradas em outubro de 2014, depois de um ataque contra as forças de segurança em que pelo menos 28 soldados morreram.

As Forças Armadas estão "demolindo arbitrariamente milhares de casas” e "destruindo bairros inteiros”. As ações começaram antes de o governo egípcio ter ordenado, por decreto, a criação de uma “zona segura” na fronteira, em novembro de 2014, segundo comprovou a organização em imagens de satélite.

A HEW denuncia ainda que o Egito não fez distinção entre edifícios civis e outros e empregou métodos pouco precisos para a demolição dos imóveis, como explosivos, maquinaria pesada e até o bombardeio com um tanque.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia