Porto Velho (RO) domingo, 24 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Lula deve ser mais realista na política externa, opinam brasilianistas


Mayumi Aibe - Agência O GloboRIO - Um possível segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ser mais realista em relação à política externa, de acordo com especialistas ouvidos pelo GLOBO ONLINE. Quando Lula foi eleito, havia a expectativa de que assumisse o papel de líder de toda a América Latina, ajudado por sua trajetória política, que inspira a simpatia das massas. A liderança regional foi também tema da reportagem de capa da conceituada revista "The Economist". Intitulado "Quem lidera a América Latina? - Lula x Chávez", o texto diz que "ele (Lula) não é a voz mais forte que ecoa na América Latina, nem a mais de esquerda. E sim Hugo Chávez, o populista presidente venezuelano".No entanto, para o brasilianista e historiador Thomas Skidmore, fortalecer as relações externas da economia brasileira é mais importante do que consolidar a influência no continente, o que nenhum governo do país conseguiu.- O aspecto mais importante é a fortaleza econômica do Brasil, especialmente a capacidade de exportar para a Ásia. Este é o destino do Brasil. A luta do país é sair do estado de subdesenvolvimento e aumentar a taxa de crescimento, que é essencial para melhorar a vida da maioria da população - enfatizou Skidmore.A brasilianista americana Wendy Hunter, professora da Universidade do Texas, acredita que as expectativas iniciais do governo Lula eram altas demais quanto ao papel do Brasil no cenário mundial: - Dadas todas as limitações que conhecemos no sistema político brasileiro e no internacional, acho que Lula estava nadando contra a maré. Devemos olhar para trás e questionar por que chegamos a achar que ele poderia escapar destas pressões.Na opinião do historiador, decisões tomadas pelo governo como enviar tropas brasileiras para integrar a missão de paz das Nações Unidas no Haiti e pleitear um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU são "sonhos do Itamaraty".- (Obter uma vaga permanente no conselho) é um sonho da elite do Itamaraty. Tem pouca importância para a situação do povo brasileiro, são coisas do ego nacional - argumentou.Entretanto, Skidmore minimizou a influência do presidente venezuelano, Hugo Chávez, sobre o continente, que é considerada por muitos um dos maiores desafios das relações internacionais do Brasil.- Chávez é um palhaço inteligente. Mas a Venezuela não vai progredir com a política que ele está seguindo. A política interna do país está sendo completamente negligenciada Será um palhaço que desaparece do circo - ironizou.Segundo Wendy, os erros da política externa do governo Lula se devem, em parte, à falta de experiência do PT no assunto:- Historicamente, o partido conseguiu crescer e conquistar cargos em prefeituras e governos estaduais sem fazer muitos compromissos, mantendo a postura de oposição. Antes de chegar à Presidência, não sabíamos como seria a política externa do PT. O partido tinha a vantagem de criticar, mas não precisava assumir responsabilidades sobre política externa. De certa forma, nunca havia sido testado.A imagem de Lula no exteriorPara os dois especialistas, a série de denúncias contra o governo Lula e o PT não abalaram a relação de Lula com a comunidade internacional e, especificamente, o governo dos Estados Unidos. - Os americanos notam que o povo brasileiro tem uma tolerância bastante grande com a corrupção. Mas eles são cínicos quanto a este problema porque acham que todos os políticos são corruptos. Não somos anjos, temos experiência com casos de corrupção envolvendo o governo - disse Skidmore.- O governo dos Estados Unidos não liga para denúncias de corrupção. Ele quer uma economia estável e um presidente moderado na região. Mas, aos olhos das pessoas que acompanham estas questões, acho que os escândalos feriram a imagem de Lula e de sua capacidade de exercer um tipo diferente de liderança - opinou Wendy.Quanto aos rumos do Brasil no exterior, Thomas Skidmore considera que a ênfase deve ser nas relações comerciais com a Ásia, especialmente a Índia e a China:- A América Latina está muito mais estagnada. O Brasil tem que olhar para a Ásia. Será a nova etapa da política externa.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Terrorismo: Ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia deixam mortos e feridos

Terrorismo: Ataques a duas mesquitas na Nova Zelândia deixam mortos e feridos

Ataques simultâneos a duas mesquitas na cidade de Christchurch, no sul da Nova Zelândia, deixaram pelo menos 49 mortos e 48 feridos. Autoridades class

Bolsanaro inaugura sistema de telecomunicações operado pela Oi na estação brasileira na Antártica

Bolsanaro inaugura sistema de telecomunicações operado pela Oi na estação brasileira na Antártica

Em cerimônia realizada no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro inaugurou hoje os novos serviços de telecomunicações da Estação Antár

Morre aos 74 anos o Fundador e Presidente da Associação Casa Família Rosetta, Padre Vincenzo Sorce.

Morre aos 74 anos o Fundador e Presidente da Associação Casa Família Rosetta, Padre Vincenzo Sorce.

A Associação Casa Família Rosetta comunica e manifesta o mais profundo pesar pelo falecimento do Fundador e presidente, Padre Vincenzo Sorce. Vincen

Venezuela: Guaidó e Duque apelam a militares venezuelanos: “fiquem do lado certo"

Venezuela: Guaidó e Duque apelam a militares venezuelanos: “fiquem do lado certo"

Quatro militares fieis a Maduro teriam desertado as Forças Armadas