Porto Velho (RO) segunda-feira, 15 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Limite financeiro para assistência humanitária a haitianos


A situação dos haitianos que chegam ao Brasil usando o Acre como porta de entrada continua acontecendo na fronteira de Assis Brasil com Iñapari, no lado peruano. Embora o quadro atual seja diferente do apresentando em 2011, o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Nilson Mourão, anunciou nessa segunda-feira, 25, que o Estado chegou no limite financeiro para a assistência humanitária aos refugiados vindos do Haiti.

Os haitianos continuam chegando ao Brasil através de Iñapari, no Peru, fronteira com o município acreano de Assis Brasil. Dessa vez eles surgem em pequenos grupos de uma ou duas pessoas - diferentemente da situação registrada no ano passado, onde os grupos de refugiados eram bem maiores. Atualmente estão registrados cerca de 150 a 170 haitianos em Iñapari. Desses, 46 já receberam permissão para entrar no Brasil, com sua documentação colocada em ordem, e agora podem procurar emprego no país.

Ainda segundo Nilson Mourão, um grupo de empresários se dirige ao Acre para contratar esses haitianos. Porém, a prestação de ajuda humanitária por parte do governo do Estado chegou ao limite. “Não temos mais recursos da secretaria para manter essa assistência. Mesmo sendo uma questão do governo federal, o governo do Estado já gastou cerca de R$ 2 milhões em ajuda humanitária com os refugiados haitianos. A contrapartida do governo federal foi de R$ 360 mil, além de oito toneladas de alimentos.”

Para Nilson Mourão, a necessidade agora é intervir junto ao governo federal e conseguir mais recursos para a assistência humanitária. "Pessoas e disponibilidade para trabalhar nós temos, só nos faltam os recursos”, afirmou.
 

Os haitianos no Brasil
 

Gente de Opinião

Os haitianos continuam chegando ao Brasil através da cidade de Iñapari, no Peru, fronteira com o município acreano de Assis Brasil (Foto: Gleilson Miranda/Secom)


O terremoto de janeiro de 2010 no Haiti não é a principal causa da fuga de haitianos do país. No Haiti, 65% da população é jovem. Antes do terremoto havia de 20 a 25% de desempregados e metade da população vive com menos de um dólar por dia. Após o terremoto a situação ficou caótica, além dos surtos de doença e ausência de oportunidades de melhoria financeira.

Muitos haitianos compraram o sonho de que a mudança para o Brasil faria com que suas situações mudassem para melhor. Através de “coiotes”, eles juntaram todo o dinheiro possível e partiram em viagem, atravessando o Peru e chegando ao Acre, partindo então para outros destinos como Porto Velho, Manaus e São Paulo.

Fonte: Agência de Notícias do Acre / Samuel Bryan

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe