Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Japão levará uma década para completar reconstrução


Renata Giraldi*
Agência Brasil

Brasília – A reconstrução total das áreas atingidas pelo terremoto seguido por tsunami e acidentes nucleares no Japão deve levar pelo menos uma década, segundo especialistas do governo. No país, cerca de 350 mil pessoas esperam por uma casa. Mais de 50 mil moradias temporárias foram construídas. Pelos dados do governo, os danos são superiores a 156 bilhões de euros.

A ideia é investir 213 bilhões de euros nos próximos dez anos. Nos primeiros cinco anos, 176 bilhões serão aplicados. Foram aprovados quatro orçamentos suplementares. Em fevereiro deste ano, foi criada a Agência da Reconstrução. O objetivo é que ela funcione até 2020, com representações nas regiões de Iwate, Miyagi e Fukushima, as mais afetadas pelo tsunami de março do ano passado.

O secretário de Estado para a Reconstrução, Kazuko Kori, disse que a dificuldade também é considerada grande quando se pensa o que fazer com “a quantidade de escombros" espalhada pelo país. A estimativa é que existam de 20 milhões a 25 milhões de toneladas.

Para o governo, outros desafios são a criação de emprego e o apoio psicológico às vítimas. No total, 163 países e 43 organizações internacionais ofereceram ajuda ao Japão até o ano passado. Um grupo de 29 países e organizações enviaram equipes de resgate após os desastres.

Apenas na região de Tohoku, no Nordeste do Japão, 342.509 pessoas foram deslocadas. Pelo menos 17 mil estão em casas de parentes e amigos, enquanto 324 mil moram em abrigos cedidos a custo zero pelo governo.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa//Edição: Graça Adjuto
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia