Porto Velho (RO) sexta-feira, 10 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Israel confirma bombardeio em alvo próximo de escola da ONU


Da Agência Lusa

O Exército de Israel admitiu hoje (3) ter disparado sobre um alvo próximo de uma escola da Organização das Nações Unidas (ONU) em Rafah, na Faixa de Gaza, onde pelo menos dez palestinos morreram.

O Exército tinha como alvo três terroristas da Jihad Islâmica que se deslocavam em um veículo motorizado nas imediações de uma escola da Agência da ONU para Ajuda aos Refugiados Palestinos em Rafah. As forças de defesa israelenses estão analisando as consequências do ataque ao local onde se encontravam refugiados cerca de 3 mil, informou comunicado militar.

O governo nortre-americano reagiu com consternação ao bombardeio e instou Israel a se “esforçar mais” para evitar vítimas civis, disse, em nota, a porta-voz do Departamento de Estado, Jennifer Psaki. “Os Estados Unidos estão consternados com o vergonhoso bombardeio da escola de uma agência da ONU em Rafah”, acrescenta a nota de Jennifer Psak. “Insistimos, mais uma vez, em que Israel deve se esforçar mais para respeitar seus próprios princípios e evitar fazer vítimas civis”, conclui o comunicado da porta-voz do departamento.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia