Porto Velho (RO) sábado, 4 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Irã não se dispõe a abrir mão das pesquisas nucleares


Renata Giraldi*
 Agência Brasil

Brasília – Às vésperas de a comunidade internacional retomar o diálogo com o Irã sobre o programa nuclear desenvolvido no país, o secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional iraniano, Saeed Jalili, disse hoje (17) que não há disposição de abrir mãos das pesquisas na área. Segundo ele, são “direitos inalienáveis” dos iranianos.

Jalili acrescentou que há disposição do Irã de negociar sobre a cooperação, indicando que o governo quer o fim das sanções impostas ao país – que limitam as negociações econômicas, comerciais e militares. “No momento, percebe-se que é preciso acabar com a pressão e que essa abordagem não conseguiu resultados”, disse.

Principal negociador nuclear do Irã, Jalili disse que a pressão sobre o país não conseguiu impedir o progresso nuclear e acabou incentivando as pesquisas na área.

No próximo dia 23, as autoridades do Irã se reúnem com o grupo P5 +1 (formado pelos Estados Unidos, a China, o Reino Unido, a França, Rússia e Alemanha), em Bagdá, no Iraque.

*Com informações da emissora pública de televisão do Irã, PressTV//Edição: Graça Adjuto
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia