Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Investimentos diretos brasileiros na Argentina disparam



BBC Brasil

Brasília - Nos últimos seis anos, os investimentos diretos do Brasil na Argentina dispararam e se diversificaram. A perspectiva, segundo especialistas, é que se mantenham em crescimento em diversos setores industriais. Os dados são da Embaixada do Brasil em Buenos Aires. Fatores como o crescimento econômico argentino, a desvalorização do peso em relação ao dólar e a possibilidade de escapar de barreiras comerciais são algumas das razões apontadas para esse comportamento.

O crescimento econômico argentino (9% anual), a desvalorização do peso em relação ao real (R$ 1 igual a $ 2,6), a possibilidade de escapar das barreiras comerciais, a chance de atender à demanda local e exportar para o Brasil e outros mercados são os motivos que levam empresas brasileiras de diferentes setores a se instalarem na Argentina, segundo economistas, autoridades de governo e empresários do país vizinho.

A estimativa de estoque de investimentos globais brasileiros no país vizinho, entre 1997 e o primeiro semestre de 2011, é de US$ 11.189,75 bilhões. Desse total, segundo dados da embaixada, quase US$ 8 bilhões (US$ 7,7 bilhões) foram investidos entre 2005 e 2011. Sendo, por exemplo, 25% correspondentes ao setor industrial, 18,5% ao petróleo e gás e 10,9% a mineração.

A projeção de investimentos, não incluídos nesse estoque, conta, por exemplo, com a instalação de uma fábrica do Grupo Moura, de baterias, com US$ 30 milhões até 2015, conforme anúncio feito pela companhia no ano passado. A empresa Randon, do setor de reboques e semirreboques, também informou em maio deste ano que investirá US$ 8 milhões na ampliação da sua fábrica no país até 2012.

A Vale prevê investimentos de cerca de US$ 3,5 bilhões no projeto de extração de potássio na província de Mendoza, que envolverá obras também nas províncias de Buenos Aires, Neuquén e de Rio Negro, com a construção de um porto e de uma ferrovia.

As operações da Vale em Mendoza tinham sido suspensas, mas foram retomadas em julho, segundo a assessoria de imprensa do governo de Mendoza. Esse promete ser o maior investimento brasileiro já feito na Argentina, superando a compra feita pela Petrobras da Perez Companc (Pecom), em 2002.

A Vale pretende vender o produto no mercado interno e no mercado brasileiro, segundo assessores do governo de Mendoza. Interlocutores da empresa contaram que a companhia já investiu US$ 1,5 bilhão do total de US$ 5 bilhões previstos. Na semana passada, a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou que a Camargo Corrêa investirá US$ 75 milhões para ampliar sua fábrica de cimento no país.

"A Camargo Corrêa bate recorde de produção no país. A Argentina cresceu 10,9% nos primeiros cinco meses deste ano, superando o recorde de 2010 e o cimento tem papel fundamental, ligado ao crescimento e à construção", disse a presidenta ao lado de representantes da companhia. Segundo ela, as empresas "não têm por que temer a Argentina".

A desvalorização do peso em relação ao real é uma das razões do aumento dos investimentos. Na opinião do economista Bernardo Kosacoff, ex-diretor da Comissão Econômica para América Latina (Cepal), a Argentina é um "destino natural" das empresas brasileiras que podem então exportar para outros mercados e adquirir know-how de companhia internacional.

Para ele, outro "fator natural" é a "complementação" dessa cadeia industrial. No caso dos automóveis fabricados na Argentina, por exemplo, eles contam com peças do Brasil e são exportados, quando prontos, para o mercado brasileiro, principalmente.

O economista Diego Giacomini, da consultoria Economia e Regiões, de Buenos Aires, observou que os custos ainda compensam para o investidor que desembarca do Brasil na Argentina. "Os custos de energia elétrica e de gás no Brasil são seis ou sete vezes maiores do que na Argentina", disse.

Os serviços públicos privatizados passaram a receber subsídios do governo argentino pouco depois que o ex-presidente Nestor Kirchner tomou posse em 2003, reduzindo os custos das empresas e as tarifas para os consumidores. Giacomini acha, porém, que o Brasil é "mais seguro e confiável" hoje para um investidor, já que "as regras não mudam como na Argentina".

O empresário argentino do setor de calçados, Carlos Alberto López, que tem uma fábrica com sócios brasileiros em Buenos Aires, disse que a sociedade foi feita há dois anos, quando outras empresas brasileiras do ramo desembarcaram na Argentina. Mas hoje ele acha que, apesar da desvalorização do peso, os custos já não são tão baixos devido ao aumento da inflação no país.

"Assim como meus sócios, outras fábricas de calçados vieram para vender no mercado local e daqui também exportar para o Brasil e outros mercados. Uma forma de escapar das barreiras comerciais argentinas. Mas agora a inflação está tão alta que não compensa tanto como antes", disse.

Nesse caso, elas têm procurado principalmente a Região Norte do país vizinho. Para o embaixador, o comércio bilateral deverá bater este ano o recorde de cerca de US$ 40 bilhões, mesmo quando setores reclamam das barreiras comerciais argentinas e quando exportadores argentinos do setor automotivo se queixam de veículos parados na fronteira brasileira.

 

Mais Sobre Mundo - Internacional

As mulheres e os homens mais compridos do mundo

As mulheres e os homens mais compridos do mundo

Segundo um estudo feito por 800 cientistas do Imperial College em Londres (1) sobre o desenvolvimento da altura das pessoas adultas nos últimos 100

Dia Mundial do Rock é comemorado neste sábado

Dia Mundial do Rock é comemorado neste sábado

Um senhor de mais de 60 anos, vibrante, contestador, revolucionário e que provoca as mais diversas sensações e reações em quem tem contato com ele ou

Morre Lee Iacocca, o pai do Mustang

Morre Lee Iacocca, o pai do Mustang

Morreu em 2 de julho, aos 94 anos, Lido Anthony "Lee" Iacocca, um dos mais famosos executivos da indústria automobilística. Era filho de imigrantes it

Porto Velho: Inscrições para vagas na escola de música Som na Leste encerram nesta quarta, dia 03

Porto Velho: Inscrições para vagas na escola de música Som na Leste encerram nesta quarta, dia 03

A Escola Municipal de Música Som na Leste divulgou edital para matrícula de novos alunos para o preenchimento de vagas para os cursos no segundo semes