Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Intervenção russa já fez 3 mil mortos na Síria, diz organização



Da Agência Lusa

Em quase quatro meses, os bombardeios russos na Síria deixaram 3.049 mortos, um terço (1.015) civis, informou hoje (20) a organização não governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

“Desde 30 de setembro, 1.015 civis - 238 crianças, 137 mulheres e 640 homens - foram mortos. Por outro lado, os ataques russos mataram 1.141 combatentes e jihadistas da Frente Al Nosra [o braço da Al Qaeda na Síria] e 893 membros do grupo Estado Islâmico”, afirmou a organização em comunicado.

A agência de notícias oficial síria, Sana, informou nessa terça-feira que os aviões de combate russos fizeram, desde 30 de setembro, 5.662 saídas, permitindo às forças sírias recuperar o controle de 215 localidades que estavam nas mãos dos grupos rebeldes.

A oposição moderada condicionou sua participação nas negociações com o regime, previstas para 25 de janeiro (segunda-feira) em Genebra, à suspensão dos bombardeios russos e sírios contra civis e ao levantamento dos cercos a localidades.

O observatório acrescentou que nos últimos 15 meses pelo menos 7.677 civis sírios foram mortos, 1.622 dos quais crianças, e que mais de 39 mil ficaram feridos em ataques da força aérea do regime de Bashar Al Assad.

Os bombardeios deixaram também 4.007 mortos entre integrantes do Estado Islâmico, da Frente Al Nosra e de outros grupos rebeldes sírios.

A guerra na Síria, iniciada em 2011, já matou mais de 260 mil pessoas, segundo o observatório.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia