Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Inflação baixa na Argentina cria desconfiança no mercado


Agência O GloboBUENOS AIRES - O Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec) da Argentina, equivalente ao IBGE brasileiro, ficou mais uma vez sob suspeita ontem ao divulgar o índice de inflação oficial do país. Segundo o instituto, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de fevereiro ficou em apenas 0,3%, comparado a 1,1% em janeiro e a 0,4% em fevereiro de 2006.A queda da inflação no segundo mês do ano, comparado a janeiro, era esperada, por efeitos sazonais. Mas o índice ficou abaixo até dos 0,5% a 0,7% estimados pelo mercado financeiro e por economistas independentes. Segundo comunicado do Indec, os preços foram puxados para cima pelos alimentos, que subiram 0,7% e representaram uma alta de 0,8% na cesta básica. Os itens que puxaram o índice para baixo, de acordo com o Indec, foram as despesas com turismo, que teriam caído 0,8%, e os gastos com saúde, com 0,6% de queda.Há hoje uma forte desconfiança no país com o IPC, gerada pelo próprio governo, desde que, no mês passado, interveio no Indec, demitindo as duas executivas responsáveis pela pesquisa de preços, substituindo-as por funcionários supostamente mais ligados à Secretaria de Comércio do Ministério da Economia. Após as mudanças, realizadas uma semana antes da divulgação do IPC e que incluíram alterações no método de cálculo, a inflação de janeiro ficou em 1,1%, menos da metade do previsto.A primeiro reação do mercado à divulgação da inflação de fevereiro foi uma queda de até 3% na cotação dos bônus Discount, o papel da dívida argentina mais negociado, principalmente por investidores estrangeiros. O Discount, que vence no ano 2033, terminou o dia ontem cotado a 141,80 pesos, em baixa de 2,16%. Cerca de 40% da dívida pública argentina está atrelada ao IPC.Desde janeiro, os funcionários do Indec estão em alerta e se rebelando pela intervenção governamental no instituto. Ontem passaram o dia em manifestações em frente à sede do órgão. Em entrevistas na TV, o presidente do ATE, o sindicato dos funcionários públicos do país, Daniel Fazio, disse que a intervenção afeta a credibilidade do Indec e que os funcionários querem que o governo comunique as mudanças metodológicas aplicadas para o cálculo da inflação, torne transparente os critérios de promoção de funcionários aos cargos mais elevados e que seja protegido o segredo estatístico. " Não somos contra mudanças nos critérios metodológicos, mas é preciso que elas sejam discutidas com a sociedade " , afirmou Fazio." O objetivo claro da ação do governo sobre o Indec é produzir um índice de inflação mais baixo do que o real " , avalia Luciana Diaz Frers, diretora do Programa de Política Fiscal do Centro de Implementação de Políticas Públicas para a Igualdade e o Crescimento (Cippec, na sigla em espanhol). Frers, que se diz " totalmente contra a mudança nos cálculos da inflação do país " , afirmou que a atitude do governo terá impactos negativos em diversos setores, como nas negociações salariais e nos cálculos da dívida pública e do PIB (Produto Interno Bruto).Com a intervenção feita em janeiro e as mudanças nos cálculos do IPC, " em um primeiro momento, o governo se saiu bem, porque ninguém falou mais de inflação, só da intervenção no Indec " , diz Javier Alvaredo, sócio da consultoria MVA Macroeconomica. Mas, no longo prazo, diz esse economista, a " manipulação " do índice pode se virar contra o próprio governo, que perderá a credibilidade na negociação com seus credores.(Janes Rocha | Valor Econômico)

Mais Sobre Mundo - Internacional

ALERTA: Mídias sociais elevam depressão entre meninas, diz pesquisa

ALERTA: Mídias sociais elevam depressão entre meninas, diz pesquisa

Meninas adolescentes são duas vezes mais propensas que os meninos a apresentar sintomas de depressão em conexão ao uso das redes sociais, segundo estu

FRANÇA: Coletes amarelos retomam protestos; 101 pessoas são detidas

FRANÇA: Coletes amarelos retomam protestos; 101 pessoas são detidas

Os manifestantes conhecidos como coletes amarelos voltaram às ruas de várias cidades da França ontem (5) na primeira grande mobilização de 2019, que m

Embaixador de Israel afirma “Bolsonaro é o segundo Oswaldo Aranha”,

Embaixador de Israel afirma “Bolsonaro é o segundo Oswaldo Aranha”,

O embaixador do Israel no Brasil, Yossi Shelley, comparou, em entrevista exclusiva à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o presidente Jair Bolsonaro

Presidente chinês, Xi Jinping, diz que está disposto a trabalhar com Bolsonaro

Presidente chinês, Xi Jinping, diz que está disposto a trabalhar com Bolsonaro

O presidente da China, Xi Jinping, enviou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro afirmando que está disposto a trabalhar com o novo governo brasilei